segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Pré-jogo Cuiabá-MT x América-MG

Talvez seja o confronto da superação física sobre a tática e a técnica, principalmente no segundo tempo, devido as condições desfavoráveis, provocadas pelas sequência de jogos, intercalados por viagens, num intervalo curto, e pelo clima no local da partida.

Peças de reposição no segundo tempo poderão ser fundamentais.

Diego Ferreira, Felipe Azevedo, Sávio, Maranhão, Matheusinho e Viçosa normalmente são substituídos durante os jogos.

Dinamismo do Geovane, força física do Vitão e Toscano, qualidade do Flávio e Lucas Luan, e velocidade do Ademir são opções.

Ainda assim, o time para começar o jogo poderia ter pelo menos uma mudança entre os titulares e uma de posicionamento.

Entrada do Geovane no lugar do Maranhão, a fim de qualificar a troca de passes no campo ofensivo com Matheusinho e Sávio.

Avançar o posicionamento do Viçosa para facilitar as finalizações do centroavante dentro da área adversária.

Na direita, Diego Ferreira ou Leandro Silva, o que estiver mais bem preparado fisicamente para suportar 90 minutos, fazer ultrapassagens para tabelar com Juninho e Felipe Azevedo.

Embora bastante finalizador, Felipe Azevedo carece ser mais efetivo.

Ademir também precisa ser mais eficiente nas finalizações, mas é alternativa de contra-ataque em alta velocidade.

A dobra feita pelo Leandro Silva e Diego Ferreira poderá ser alternativa interessante na segunda etapa para aumentar a consistência defensiva pelo lado.

Bilu deveria ter sido relacionado.

Flávio, Maranhão e Toscano são opções de mudanças para o meio-de-campo.

Toscano ou Vitão, de acordo com a circunstância do jogo, poderá substituir Viçosa.

Vitão é bastante competitivo, determinado e finalizador.

Lucas Luan, mais produtivo na tarefa ofensiva do que defensiva, é opção para a lateral esquerda.

Possível time na formação 4-1-4-1
Airton;
Leandro Silva (Diego Ferreira), Lucas Kal, Ricardo Silva, Sávio (Lucas Luan);
Zé Ricardo;
Felipe Azevedo (Ademir), Juninho (Toscano), Geovane (Toscano, Maranhão), Matheusinho;
Viçosa (Vitão, Toscano)

Cuiabá-MT x América
segunda-feira, 22h, Arena Pantanal
Vamos vencer, Coelhão.
Acredita, América!

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.

domingo, 10 de novembro de 2019

Londrina-PR 0 x 1 América-MG

O repertório do time americano foi muito parecido com o de outras vitórias conquistadas durante a reação na Série B, a partir do confronto contra a Ponte Preta, no primeiro turno.

Força do futebol coletivo, competitivo e determinado, eficiência na bola parada,  ineficiência nas oportunidades em jogadas construídas, presença do acaso, vitória por diferença de um gol é goleada, valeu pelos três pontos conquistados e aproximação do G4.

Segundo Footstats, foram 8 finalizações certas, 8 erradas e 54% de posse de bola, contra uma certa, 9 erradas e 46% de posse.

César, o goleiro adversário, rebateu uma bola, fez seis defesas simples e uma difícil, na finalização do Viçosa, com assistência do Matheusinho, enquanto Airton só fez uma defesa simples.

Diego Ferreira, na função de lateral-direito, foi muito melhor do que quando jogou improvisado de meia-atacante, nos jogos anteriores. Maior passador do jogo, acertou 48 passes, errou 11 e não fez nenhum cruzamento.

Sávio representou o imprevisto favorável, ao entrar no lugar do João Paulo e acertar a cobrança de escanteio para o gol do Ricardo Silva. Foi o segundo maior passador, com 43 passes certos, 7 errados, duas assistências para finalizações, 3 cruzamentos certos e 6 errados.

Ambos são laterais promissores. Diego,  na tarefa defensiva, e Sávio, na tarefa ofensiva.

Lucas Kal e Ricardo Silva mantiveram a consistência defensiva pelo chão e pelo alto.

As principais jogadas de finalização americana foram em lances com a participação do Felipe Azevedo, Juninho, Matheusinho e Viçosa.

Maranhão foi pouco produtivo no campo ofensivo, fez uma assistência para finalização e nenhuma finalização.

Juninho acertou 21 passes, errou dois, fez uma finalização certas, duas erradas, uma assistência para finalização.

Viçosa também foi bastante participativo, acertou 21 passes, errou 7, fez duas finalizações certas e uma errada e duas assistências para finalização.

Felipe Azevedo, duas certas e duas erradas,  Matheusinho, duas certas e uma errada, e Viçosa, duas certas e uma errada, também foram finalizadores.

Aliás, Felipe Azevedo suportou dois tempos, ajudou na recomposição defensiva e foi muito mais produtivo ofensivamente do que Diego Ferreira improvisado nos jogos anteriores.

Zé Ricardo dividiu com Matheusinho a terceira colocação entre os mais passadores, com 32 passes certos, 3 errados, 3 desarmes certos, uma finalização errada, uma assistência para finalização, e novamente o principal distribuidor de jogadas do time.

Destaque para Matheusinho, que tabelou mais com Sávio do que Maranhão, fez duas assistências para finalização, duas finalizações certas, acertou 32 passes,  errou 4.

Londrina:
César;
Dirceu, Léo Rigo e Sílvio;
Alemão (Matheus Bianqui), Matheus Neris (Luidy), Pedro Cacho, André Moritz (Higor Leite) e Felipe Vieira;
Uelber e Léo Passos.
Técnico: Mazola Júnior.

América:
Airton;
Diego Ferreira (Leandro Silva), Lucas Kal, Ricardo Silva e João Paulo (Sávio);
Zé Ricardo;
Felipe Azevedo, Juninho, Maranhão, Matheusinho (Ademir);
Viçosa.
Técnico: Felipe Conceição.

Gol: Ricardo Silva

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Pré-jogo Londrina-PR x América-MG

Tomada de decisão faz parte do planejamento da formação da equipe, do realinhamento do elenco no decorrer da competição, das mudanças feitas durante os jogos e da execução das jogadas.

A decisão em efetivar Felipe Conceição consertou o desvio de rota, que levou o time a última colocação do campeonato.

Méritos pela recuperação americana.

De lanterna a destaque da Série B, com aumento das possibilidades de conquistar o acesso.

Mas depois da aproximação do G4 e da lesão do Berola, participante efetivo desta reação em 6 vitórias e dois empates, decidiram fechar o grupo e não reforçar a equipe para a sequência final.

Apesar de a improvisação ser um recurso circunstancial em vez de definitivo, Diego Ferreira, improvisado na função de meia-atacante pelo lado direito, virou titular absoluto.

Se Diego Ferreira ficou titular devido a ineficiência do Leandro Silva na marcação, o contrato do Leandro Silva não deveria ter sido renovado.

Se Ademir, Bilu, França e Felipe Azevedo são menos produtivos do que o baixo rendimento ofensivo do Diego Silva, outro meia atacante de lado carecia ter sido contratado, e o contrato do Felipe Azevedo não deveria ter sido renovado.

Aliás, Felipe Azevedo, que vai terminar a temporada sem preparo físico para jogar dois tempos em alta intensidade, precisa ser mais efetivo nas finalizações.

Bilu, sub-20 em fase de aprimoramento e oscilação, tem características ofensivas parecidas com Berola, é bastante agudo, chama a responsabilidade, parte para cima, faz assistências e finaliza. Precisa ser mais eficiente nas finalizações, mas estaria mais aprimorado se tivesse sido utilizado mais vezes.

Embora a utilização de três volantes seja aceitável para aumentar a consistência defensiva no 4-3-3, Juninho e Maranhão foram transformados em meias-atacantes, no 4-1-4-1.

Juninho e Maranhão são dinâmicos, intensos e ocupadores de espaço, mas ineficientes nas finalizações. Juninho ainda apareceu nas assistências para finalização.

Se os meias-atacantes, Boselli, sub-20, Geovane, sub-21, e Toscano, forem menos produtivos do que os volantes Juninho e Maranhão, no campo ofensivo, pelo menos outro meia centralizado mais criativo e decisivo deveria ter sido contratado.

Boselli não teve chances, mas Geovane, em fase de desenvolvimento e aprimoramento, e Toscano, com ritmo de jogo, possuem poder de criação, finalização e decisão.

Viçosa, com a presença de dois meias-atacantes de lado mais um centralizado, poderá ser mais definidor das assistências e cruzamentos recebidos.

No meio-de-campo, Flávio, transformado em novo Christian,  e Zé Ricardo, mais avançado igual jogou e se destacou na base, poderiam formar a dupla de volantes, com qualidade no desarme, na marcação e na distribuição das jogadas.

Improvável time, que poderia ter sido utilizado, na formação 4-2-3-1
Airton;
Leandro Silva Lucas Kal, Ricardo Silva, João Paulo;
Flávio, Zé Ricardo;
Bilu, Toscano (Geovane), Matheusinho;
Viçosa (Toscano)

Possível time na formação 4-1-4-1
Airton;
Leandro Silva, Lucas Kal, Ricardo Silva, João Paulo;
Zé Ricardo;
Bilu (Felipe Azevedo), Juninho, Geovane (Toscano), Matheusinho;
Viçosa

Londrina x América
sexta-feira, 20h30, Estádio do Café
Vamos vencer, Coelhão.
Acredita, América!

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.


quarta-feira, 6 de novembro de 2019

América 0 x 2 Paraná

A essência da superação é melhorar até o que está dando certo.

Sair da lanterna e ter chances para disputar o G4 foi uma recuperação fantástica.

Com as vitórias conquistadas, as possibilidades de acesso para a Série A aumentaram.

A meta de desempenho passou a ser entrar no G4.

Mas na reação americana, na base do vencer por diferença de um gol ser considerado goleada, os resultados ficaram muito dependentes do aproveitamento da bola parada, da força do futebol coletivo, competitivo e determinado, e do diferencial técnico ofensivo do Berola e principalmente do Matheusinho.

A avaliação sobre o aproveitamento ou não dos jogadores e a necessidade de reforços para a sequência final da competição deveriam ter sido mais rigorosas, principalmente depois da lesão do Berola, e antes do fim das inscrições em outubro.

Diego Ferreira e Leandro Silva são dois laterais para exercer a função de um.

Os meias-atacantes Ademir, Bilu, Felipe Azevedo e França menos utilizados do que o lateral Diego Ferreira improvisado representavam a necessidade de reforçar a equipe.

Bosseli, contratado para não jogar, e Toscano perder espaço para Maranhão, volante mais avançado, retratava a carência de meia-atacante centralizado.

Elias, também contratado para não jogar,  e Belusso, sem poder de decisão, foram sinaais de alerta sobre a posição de centroavante.

Na derrota para o Paraná, o time americano teve postura ofensiva, mas sem a presença do acaso e do Matheusinho, que acelerou o processo de evolução de um sub-23, faltaram jogadores mais decisivos na função de meia-atacantes.

No lado direito, Diego Ferreira, sub-23 e improvisado, em 20 jogos nenhum gol.

Juninho, dois gols em 33 jogos, e Maranhão, nenhum gol em 25 jogos, pelo centro, são volantes na função de meias-atacantes.

Geovane, sub-21, em fase de aprimoramento e oscilação, no lado esquerdo, marcou um gol em 15 jogos.

Diego Ferreira fez uma assistência para finalização, uma finalização errada, acertou 10 passes, errou 4, 1 cruzamento certo e 4 errados.

Juninho fez duas assistências para finalização, uma finalização considerada certa, uma errada,  28 passes certos,  7 errados, 2 desarmes e perdeu 5 vezes a posse de bola.

Maranhão acertou 23 passes, errou 8, uma assistência para finalização, uma finalização certa, uma errada e 1 desarme certo.

Geovane fez duas assistências para finalização, uma finalização certa, duas erradas, 14 passes certos,  3 errados e dois desarmes certos.

Bilu, sub-20 em fase de desenvolvimento e oscilação, entrou aos 20 minutos do segundo tempo, fez uma assistências para finalização, duas finalizações erradas, acertou 13 passes, errou 2, fez 1 cruzamento certo, 2 errados e 1 lançamento errado.

Possivelmente Bilu e Toscano estariam mais bem preparados fisicamente e com ritmo de jogo se tivessem sido mais bem aproveitados nos jogos anteriores.

Pelo menos seria meia-atacante na função de meia-atacante, pelo lado ou centralizado.

No setor defensivo, Leandro Silva repetiu a ineficiência na marcação demonstrada no Mineiro.

Destaque para Airton, com uma defesa salvadora, e novamente Zé Ricardo, na distribuição das jogadas.

Zé Ricardo acertou 46 passes, errou 4, fez 2 lançamentos certos,  1 errado, 3 desarmes e uma finalização errada.

Dos 46 passes certos 21 foram para o setor defensivo, Airton 1, Leandro Silva 5, Lucas Kal 2,  Ricardo Silva 6, João Paulo 7,  e 25 para o meio-de-campo e ataque, Juninho 4, Maranhão 7, Diego Ferreira 4, Geovane 3, Vitão 1, Bilu 1, Viçosa 5.

Dados Footstats.

América na formação básica 4-2-3-1
Airton;
Leandro Silva, Lucas Kal, Ricardo Silva, João Paulo;
Zé Ricardo;
Diego Ferreira (Bilu), Juninho, Maranhão (Vitão), Geovane (França);
Viçosa
Técnico: Felipe Conceição

Paraná:
Thiago Rodrigues;
Eder Sciola (Leo Príncipe), Leandro Almeida, Fabrício e Guilherme Santos;
Luiz Otávio, Fernando Neto, João Pedro (Eduardo Bauermann), Matheus Anjos (Vitinho);
Jenison e Bruno Rodrigues
Técnico: Matheus Costa

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.


terça-feira, 5 de novembro de 2019

Pré-jogo América x Paraná

Escolher o substituto do Matheusinho, um dos destaques da reação americana, deve ser prioridade na escalação do time.

Bilu, pelo lado direito, em vez do Diego Ferreira improvisado, poderá aumentar o poder ofensivo, porque chama a responsabilidade, parte para cima, faz assistências e finaliza.

No lado esquerdo, Felipe Azevedo, França, Geovane e João Gabriel são opções.

Felipe Azevedo finaliza muito, mas é pouco efetivo e tem baixa velocidade para defender e atacar.

França rendeu mais no Sub-23,  Brasileiro 2018 e no Mineiro, quando foi mais ofensivo. Na Série B foi mais utilizado para defender do que atacar e pouco rendeu.

Geovane e João Gabriel são alternativas de canhotos com poder de marcação e principalmente João Gabriel de finalização.

Talvez seja interessante a utilização do Geovane na função de meia-atacante de lado.

Ainda Ademir, que tem velocidade, mas parou de ser utilizado.

Outra possibilidade de mudança é no meio-de-campo.

Flávio ou Geovane, em vez do Maranhão, poderia formar o trio de meio-campistas, com Juninho e Zé Ricardo.

João Gabriel e Toscano são opções com poder de criação, finalização e decisão.

Uma possibilidade de mudança de posicionamento seria Viçosa jogar um pouco mais avançado, pisar mais na área, a fim de ter mais facilidade para finalizar as assistências e cruzamentos recebidos.

Belusso e Vitão são opções de centroavante.

Possível mudança na formação básica 4-3-3:

Airton;
Leandro Silva, Lucas Kal, Ricardo Silva, João Paulo (Sávio);
Flávio, Juninho, Zé Ricardo;
Bilu, Viçosa, Geovane (Felipe Azevedo)

América x Paraná
terça-feira, 20h30, Arena do Coelhão.
Vamos vencer, Coelhão.
Pra cima deles, Coelhão.
Acredita, América!

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

América-MG 0 x 0 Ponte Preta-SP

Apesar do pênalti mal batido e das mudanças feitas entre os titulares e durante a partida, o time americano teve postura ofensiva, buscou o controle do jogo e criou oportunidades defendidas pelo Ivan, um dos goleiros da Seleção Brasileira.

De acordo com Footstats, os comandados pelo Felipe Conceição tiveram 54% de posse de bola, fizeram seis finalizações, consideradas certas, e 14 erradas, contra 46%, três finalizações certas e cinco erradas.

Os laterais foram bastante participativos.

Diego Ferreira, na função de lateral-direito jogou melhor do que improvisado de meia-atacante, acertou 40 passes, errou seis, fez uma assistência para finalização.

Sávio fez uma assistência para finalização, uma finalização certa, acertou 42 passes, errou sete.

Zé Ricardo (55), Lucas Kal (42, Sávio (42) e Diego Ferreira (40) foram os principais passadores.

Embora Geovane tenha qualificado mais o meio-de-campo ofensivo do que Maranhão, talvez tivesse sido mais interessante ter iniciado o jogo com Flávio, Juninho e Zé Ricardo.

Vale a pena repetir que, a transformação do Flávio em novo Christian deve ser evitada.

Flávio, na função de primeiro volante, e Zé Ricardo, mais avançado, têm total capacidade física, tática e técnica para jogar juntos.

Geovane fez uma assistência para finalização, três finalizações erradas, acertou 22 passes, errou cinco.

A maior interatividade do time foi através dos 14 passes do Zé Ricardo para Geovane.

Juninho aumentou a média de passes certos, ao acertar 34, errar seis, mais uma assistência para finalização e uma finalização errada.

O meia-atacante Felipe Azevedo demonstrou o porquê  de ser reserva do lateral Diego Ferreira improvisado, enquanto Bilu comprovou que deveria ter sido utilizado mais vezes nas partidas anteriores e ter começado este jogo.

Felipe Azevedo errou a cobrança do pênalti sofrido por ele e uma finalização livre de marcação dentro da área, fez uma assistência para finalização, acertou 7 passes, errou 4 e perdeu seis vezes a posse de bola.

Bilu entrou aos 11 minutos do segundo tempo, chamou a responsabilidade, fez três assistências para finalização, 17 passes certos, dois errados, um cruzamento certo, dois errados, uma virada de jogo certa e perdeu 4 vezes a posse de bola.

Toscano, em vez do Belusso improvisado, poderia ter entrado no lugar no Sávio, com o deslocamento do Geovane para a lateral.

Belusso ou Vitão seria o substituto do Viçosa.

Destaque para Matheusinho e Zé Ricardo.

Matheusinho partiu pra cima avacoelhando geral, fez três assistências para finalização, duas finalizações certas, duas erradas, 26 passes certos e quatro errados.

Zé Ricardo, o principal distribuidor de jogadas do time, acertou 55 passes, errou quatro, fez uma assistência para finalização, três finalizações erradas.  Dos 55 passes certos, 20 foram para jogadores do setor defensivo, Diego 3, Lucas Kal 4, Ricardo Silva 6, Sávio 7, e 35 para volantes, meias e atacantes: Juninho 5, Geovane 14, Felipe Azevedo 3, Bilu 3,  Matheusinho 6, Belusso 1 e Viçosa 3.

América:
Airton;
Diego Ferreira, Lucas Kal, Ricardo Silva, Sávio (Belusso);
Zé Ricardo, Juninho e Geovane;
Felipe Azevedo (Bilu), Viçosa (Vitão), Matheusinho
Técnico: Felipe Conceição

Ponte Preta:
Ivan;
Edilson, Renan Fonseca, Reginaldo e Trevisan;
Camilo, Lucas Mineiro, Araos (Bill) e Renato Cajá (Washington);
Vico (Marquinhos) e Roger
Técnico: Gilson Kleina

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.


sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Pré-jogo América-MG x Ponte Preta-SP

O time americano está no limite da produtividade ou é possível aumentar a força ofensiva sem perder a consistência na defesa?

Sepp Herberger, ex-técnico alemão, definiu no século passado a meta de desempenho num jogo de futebol:

"Defender e atacar com a máxima eficiência."

Chris Anderson e David Sally, autores do livro "Os Números do Jogo", demonstraram que o resultado de uma partida depende do rendimento e da sorte.

As duas definições poderão se complementar no próximo confronto do América.

Talvez a suspensão do Leandro Silva e Maranhão seja um imprevisto favorável.

Com ausência dos dois suspensos, haverá pelo menos três mudanças. Duas no lado direito e uma no meio-de-campo.

A defesa poderá ficar menos consistente sem a presença do Leandro Silva e João Paulo, mas o meio-de-campo e ataque pela direita deverão ficar mais produtivos e eficientes no setor ofensivo.

Leandro Silva e João Paulo estão entre os principais pontuadores de acordo o índice Footstats de produtividade.

João Paulo é o primeiro colocado; Viçosa, segundo; Matheusinho, terceiro, Zé Ricardo, quarto, Ricardo Silva, quinto; Leandro Silva, sexto.

O risco da inexperiência dos laterais deverá ser transformado em aumento da intensidade defensiva-ofensiva.

Diego Ferreira é sub-23.

Sávio, no primeiro ano pós sub-23, é mais produtivo na tarefa ofensiva que defensiva.

Diego Ferreira, na função de meia-atacante de lado, foi mais participativo na recomposição defensiva do que ofensiva. Poderá aumentar o rendimento na posição de lateral-direito.

Na função de meia-atacante pelo lado direito, Bilu e Felipe Azevedo são opções bem mais ofensivas do que Diego Ferreira.

Embora sub-23, em fase de aprimoramento e oscilação, Bilu é bastante agudo,  veloz, chama a responsabilidade, parte pra cima e finaliza.

Felipe Azevedo é lento para defender e atacar, finaliza muito, mas precisa ser mais efetivo.

Geovane seria alternativa de reposição, com o deslocamento do Matheusinho para a direita.

Aliás, no meio-de-campo, Geovane, Toscano e Zé Ricardo são bem mais qualificados do que Maranhão, no campo ofensivo, e Zé Ricardo ainda tem mais poder de desarme do que Maranhão.

Geovane poderá colaborar com Sávio na marcação pelo lado esquerdo, aumentar a qualidade do passe e o poder de finalização.

Toscano tem poder de criação, finalização e decisão.

Zé Ricardo, o melhor meio-campista de acordo com o índice citado acima, possui capacidade para jogar mais avançado, como se destacou na base, porque tem qualidade na distribuição das jogadas, no passe vertical e nas finalizações.

Ademir, devido a velocidade, poderia ser alternativa de reposição, pelos lados.

Apesar de ter mais potencial no meio-de-campo, Lucas Luan deve ser opção para a lateral esquerda.

Sabino deveria ser opção de primeiro volante.

João Gabriel poderia ser relacionado e promovido em definitivo para a equipe principal.

Copa São Paulo 2020 deveria ser oportunidade de aprimoramento para Gustavinho, Renato e Rodriguinho.

Possível mudança na formação básica 4-3-3

Airton;
Diego Ferreira, Lucas Kal, Ricardo Silva, Sávio;
Flávio, Juninho (Geovane), Zé Ricardo;
Bilu (Felipe Azevedo), Viçosa (Toscano), Matheusinho

Na formação básica 4-2-3-1

Airton;
Diego Ferreira, Lucas Kal, Ricardo Silva, Sávio;
Flávio, Zé Ricardo;
Bilu, Geovane (Toscano), Matheusinho;
Viçosa

América x Ponte Preta
sábado, 19h, Independência
Vamos vencer, Coelhão.
Acredita, América!

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

P.S. quase fixo.

A falta de revezamento durante o Mineiro, aumentou a necessidade de reforços para o time titular.

Pelo menos um quarto-zagueiro, qualificado na saída de bola, com velocidade na recomposição, deveria ser contratado. Lucas Kal?

Mais um meia-atacante lado, com poder de finalização, velocidade, resistência física e habilidade para defender e atacar em alta intensidade durante os 90 minutos. Tá faltando.

Ainda monitoramento a fim de aproveitar oportunidades no mercado:

- Um lateral com poder de marcação. - Diego Ferreira?
- Um meia atacante centralizado, com poder de criação, finalização e decisão. Geovane? Michel Bastos? Boselli?
- Um meia-atacante de lado, com velocidade, poder de finalização e decisão.  Bilu?

Na Série B, também haverá necessidade de mudanças planejadas, em vez das obrigatórias devido a suspensão, lesão, contusão e cansaço provocado pela sequência de jogos.