segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

América 0 x 0 Cruzeiro

Contra um adversário mais bem qualificado, descansado e considerado umas das melhores equipes do futebol brasileiro, o time americano, em processo de reconstrução, manteve a distribuição tática*, a competitividade e a busca pelo controle do jogo.

Houve bastante equilibrio, com superioridade americanas nos lances de efeito, e de acordo com o Footstas pequena superação na posse de bola e maior acerto nas finalizações.

A posse de bola americana foi 50,4% contra 49,6% cruzeirense.

Foram 10 finalizações do América, 5 certas e 5 erradas, enquanto o Cruzeiro fez 7 finalizações, uma certa e 6 erradas.

Fernando Leal foi pouco exigido. O único lance mais perigoso foi uma cabeçada para fora do Raniel.

Aliás, quem fez as duas defesas mais importantes do jogo foi Fábio, em chutes de longa distância do Zé Ricardo e Felipe Azevedo.

Na maioria das jogadas disputadas pelo primeira linha defensiva, Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani e João Paulo levaram vantagem sobre os adversários.

Foi a melhor partida da dupla de zagueiros e principalmente do Diego Jussani, que rendeu abaixo do esperado nos jogos anteriores.

Juninho repetiu a voluntariedade, combateu e até finalizou de longa distância.

Neto Berola se destacou pelos dribles em jogadas individuais, mas precisa jogar mais para o time. Talvez tivesse sido mais mais produtivo e eficiente se tivesse entrado no segundo tempo.

Matheusinho carece melhorar a eficiência nas finalizações, mas mostrou habilidade e ousadia na caneta no Egídio, flutuou bastante e foi participativo no combate, na troca de passes e nos cruzamentos.

Toscano, pelo lado esquerdo, rendeu menos do que pode render. Na função de meia-atacante de lado,  tem baixa velocidade de recomposição e transição. Poderá ser mais produtivo se jogar centralizado, infiltrar na área e aumentar o poder de finalização. A produtividade também deverá ser proporcional a readaptação ao futebol brasileiro, depois de três temporadas no futebol asiático.

Júnior Viçosa conduziu a bola em excesso nos contra-ataques, mas foi bastante dinâmico e participativo inclusive no combate defensivo.

Felipe Azevedo participou da recomposição, da troca de passes e acertou uma finalização.

França e Jonatas Belusso tiveram pouco tempo para participar do jogo.

Pelo menos a entrada do França, talvez no lugar do Toscano, poderia ter sido feita antes.

Apesar do aumento da segurança defensiva do Paulão e Jussani, dos dribles desconcertantes do Berola, da caneta do Matheusinho, o destaque do jogo novamente foi Zé Ricardo.

Zé Ricardo, o dono do meio-de-campo, manteve a regularidade produtiva nos dois tempos, participou da marcação, da troca de passes e finalizou.

Ainda assim, tem total capacidade para na posição de volante ser mais produtivo na função de armador, com passes verticais para finalizações, lançamentos em profundidade e finalizações.

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Neto Berola (Felipe Azevedo), Matheusinho (França), Toscano (França);
Júnior Viçosa (Jonatas Belusso)
Técnico: Givanildo

Cruzeiro:
Fábio;
Edílson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Lucas Silva (Ariel Cabral), Robinho, Rodriguinho e Marquinhos Gabriel (Rafinha); Raniel (Sassá)
Técnico: Mano Menezes

*

- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

Felipinho, Morelli, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também necessitam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo
--------------------
Marco Antônio
---------------------

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

sábado, 16 de fevereiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Cruzeiro

Givanildo deverá optar pela repetição da formação do time considerado titular.

Uma das dúvidas deve ser entre Felipe Azevedo ou Neto Berola para começar a partida.

Felipe Azevedo deveria iniciar o jogo porque parece mais bem preparado fisicamente para jogar mais tempo em alta intensidade.

Neto Berola seria opção durante do segundo tempo.

Embora o futebol possibilite que Neto Berola comece e seja decisivo no primeiro tempo.

Outra opção de mudança seria funcional, com a utilização do Christian no lugar do Toscano, a fim de aumentar a força de marcação no meio-campo e intensidade na recomposição e transição.

Aliás, se o setor defensivo apresentou sintomas de vulnerabilidade contra adversários pouco qualificados, possivelmente as dificuldades defensivas dos laterais, principalmente dos zagueiros, e dos extremos na recomposição serão maiores no clássico contra o Cruzeiro.

Leandro Silva e João Paulo são bem mais produtivos e eficientes na tarefa ofensiva.

Paulão e Diego Jussani foram envolvidos com facilidade no combate individual fora da área, nos cruzamentos rasteiros e aéreos.

Neto Berola tem pouca resistência física para defender e atacar em alta intensidade. É mais produtivo no terço final.

Talvez Felipe Azevedo tenha capacidade para recompor.

Toscano tem baixa velocidade para executar a dupla função defensiva-ofensiva. A produtividade ofensiva é proporcional a aproximação da área adversária.

Matheusinho recuar para marcar lateral é um desperdício. Sem posição fixa, mas com infiltrações na área, poderá ser mais produtivo e eficiente partindo com a bola dominada em direção ao gol.

Ainda assim, a distribuição tática*, a busca pelo controle do jogo, com posse de bola ofensiva, a competitividade e recomposição defensiva deverão ser metas de desempenho.

Zé Ricardo tem capacidade para defender e ser mais construtor de jogadas, por meio de assistências verticais para finalizações, lançamentos em profundidade e chutes de longa distância.

O competitivo Juninho deveria guardar mais a posição antes do meio-de-campo para fazer a cobertura de um dos meias-atacantes de lado e até do lateral. Quando avançar ser mais eficiente no complemento das jogadas.

Júnior Viçosa deve repetir a movimentação, a fim de executar a função de pivô, trocar passes e também entrar na área para finalizar.

Ademir, pela esquerda, França e Jônatas Belusso também são opções.

Possível time e sugestões na formação básica 4-2-3-1
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Felipe Azevedo (Neto Berola), Toscano (Christian, França, Ademir), Matheusinho (Ademir);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

América x Cruzeiro
domingo, 17h, Arena do Coelhão
vamos vencer!

*

- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

Felipinho, Morelli, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também necessitam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo
--------------------
Marco Antônio
---------------------

www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

São Raimundo-RR 0 x 0 América-MG

Apesar de Fernando Leal ter se destacado contra um time pouco qualificado, a meta de resultado do time americano foi cumprida, porque na Copa do Brasil o sistema é eliminatório.

Neste caso, o resultado é mais importante do que o desempenho.

O empate fora de casa classificou o Coelhão para a segunda fase e rendeu R$ 1.150.000,00.

Em condições normais para a prática do futebol, possivelmente o desempenho dos comandados pelo Givanildo teria sido satisfatório e a vitória conquistada com goleada.

Em outras competições, Mineiro e principalmente Série B, o que deve ser avaliado pelo Givanildo, Comissão Técnica e Diretoria é o possível desgaste físico e queda de rendimento provocados pela manutenção do time em jogos seguidos, sem opção de revezamento, inclusive entre os relacionados.

A escalação do Neto Berola deveria ser mais programada. Poderá ser mais interessante utilizar o jogador em determinados jogos durante o segundo tempo.

Toscano, depois de três temporadas no futebol oriental, está em processo de readaptação física, mas tem capacidade para potencializar o desempenho.

Talvez tivesse sido mais produtiva a escalação de jogadores menos utilizados no Mineiro.

França precisa ser avaliado desde o início de uma partida. Ele e Jonatas Belusso poderiam ter começado o jogo.

Ademir poderia ter jogado pelo lado esquerdo.

Ainda opções do Ronaldo, Pedrão, Christian, Morelli.

Mas valeu pela classificação.

São Raimundo-RR:
Diego Cerqueira;
Luã, Paulinho, Alan Caruaru e André Arruda (Kayo Fernando) ;
Belão, Anderson (Matheus Tomaz), Ygor e Ricardinho; Marcos Felipe (Yan) e Clebson Monga
Técnico: Chiquinho Viana

América-MG:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Diego Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Neto Berola (França), Toscano (Christian), Matheusinho;
Júnior Viçosa (Jonatas Belusso)
Técnico: Givanildo Oliveira

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

América-MG: Pré-jogo São Raimundo

A busca da perfeição por meio da repetição é uma facilitadora para acelerar o entrosamento do time em processo de reconstrução  mas durante a sequência das competições, poderá aumentar a possibilidade de mudanças obrigatórias, devido ao desgaste físico provocado pela sequência de jogos, suspensões e contusões.

Por exemplo, a condição física do Neto Berola para enfrentar o Cruzeiro no próximo domingo, depois de dois jogos seguidos e viagem em curto espaço de tempo.

Embora neste caso, o Felipe Azevedo, que não foi relacionado para o jogo da Copa do Brasil, ficará a disposição.

Contra o São Raimundo, Givanildo deverá optar pela formação que começou o jogo contra a URT.

As principais adversidades possivelmente serão o cansaço da viagem e talvez as condições do estádio, mas o esquema tático*, a postura ofensiva e a competitividade deverão ser repetidos.

De acordo com as circunstâncias do jogo, poderá ser interessante a utilização do Ademir, Christian e França, durante maior tempo ou a utilização do Toscano, de segundo volante, formando uma linha de 4 com Neto Berola ou França, pela direita, Matheusinho, mais centralizado, e Ademir aberto pela esquerda.

Leandro Silva e João Paulo deverão repetir a produtividade na tarefa ofensiva.

Paulão e principalmente Diego Jussani precisam melhorar o posicionamento defensivo nos cruzamentos, aumentar o poder de combate e desarme, fora da área.

Pedrão também deveria ser mais testado.

O voluntarioso Juninho carece ser mais produtivo na parte ofensiva.

Zé Ricardo tem capacidade de exercer mais funções de construtor de jogadas, por meio de assistências verticais para finalizações, lançamentos em profundidade e finalizações.

Neto Berola parece ter capacidade para jogar em alta intensidade durante um tempo.

França é opção para o segundo tempo ou para começar.

Toscano poderá ser mais criativo, finalizador e decisivo pelo centro, com infiltrações na área.

Matheusinho deve ter liberdade para flutuar, mas precisa infiltrar mais vezes dentro da área e ser mais eficiente nas finalizações.

Ademir deveria ser utilizado aberto pela ponta esquerda, a fim de buscar a linha de fundo e fazer o cruzamento com o pé esquerdo.

Júnior Viçosa deve repetir a movimentação, o poder de finalização e decisão.

Jônatas Belusso é opção de reposição ou para começar o jogo.

Possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani (Pedrão), João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho (Christian);
Neto Berola (França, Felipinho), Toscano (França, Ademir), Matheusinho;
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

no 4-1-4-1:
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani (Pedrão), João Paulo;
Zé Ricardo;
Neto Berola (França), Toscano, Matheusinho, França (Ademir);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

São Raimundo x América
quarta-feira, 21h30, Roberto Marinho, Boa Vista, Roraima.
vamos vencer, Coelhão!

*
- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

Felipinho, Morelli, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também necessitam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

América 3 x 1 URT

Apesar do resultado vitorioso e da manutenção da liderança do Mineiro, o time americano repetiu sintomas de fragilidade defensiva, contra outro adversário pouco qualificado.

Diego Jussani, Leandro Silva e Paulão estão mal posicionados nos cruzamentos rasteiros e pelo alto.

Neste jogo e nos anteriores, quando Paulão e Jussani saíram da área para fazer o combate individual, foram envolvidos com facilidade, principalmente Jussani, que está sem velocidade de recuperação e sem tempo de bola.

Leandro Silva e João Paulo apresentaram dificuldades na tarefa defensiva, embora sejam bastante produtivos e eficientes no apoio.

A recomposição dos extremos vai precisar ser mais eficiente contra adversários mais qualificados e velozes.

No gol em contra-ataque da URT,  talvez por erro de posicionamento e função, Toscano era o mais recuado pela direita, a frente do Juninho Potiguar, mas foi ultrapassado pelo adversário, que infiltrou na grande área livre de marcação.

Aliás, a produtividade do Toscano está reduzida pelos lados, longe da área, e aumentada pelo centro, quando troca passes ou faz assistências ou infiltrações área para finalizar.

Matheusinho também está mais produtivo e eficiente quando parte pelo centro com a bola dominada e entra na área para driblar ou fazer assistências para finalização ou finalizar.

Quanto mais próximos da área Matheusinho e Toscano jogarem, maior será o poder de criação, decisão e finalização.

Givanildo e comissão técnica precisam encontrar o melhor posicionamento para os dois meias-atacantes ou pontas de lança desempenharem as funções com maior aproveitamento.

Destaque para o poder de decisão do Neto Berola e a regularidade produtiva do Zé Ricardo, durante a maior parte dos 90 minutos mais acréscimos.

Embora a básica distribuição tática* e a postura ofensiva tenham sido repetidas, o nível de competitividade caiu um pouco, em determinados momentos da partida.

Fernando Leal fez uma defesa salvadora numa cabeçada do Kaio Wilker, livre de marcação.

Leandro Silva falhou no posicionamento defensivo na cabeçada do Kaio, mas participou das jogadas do primeiro e terceiro gols.

João Paulo deveria ter feito mais ultrapassagens e cruzamentos precisos.

O voluntarioso Juninho foi pouco produtivo e eficiente ofensivamente.

Matheusinho mostrou talento na tentativa do chapéu estiloso impedido com falta e no cruzamento preciso para o segundo gol do Berola.

Neto Berola demonstrou que poderá ser útil durante um tempo de jogo.

Júnior Viçosa executou bem a função de um centroavante dinâmico, com bastante movimentação para buscar a bola, jogar pelos lados e infiltrar na área para finalizar.

França novamente entrou bem durante a partida e fez assistência precisa para o gol do Júnior Viçosa.

Christian poderia ter entrado antes no lugar do Juninho.

Ademir poderia ter entrado antes no lugar do Toscano para jogar aberto pela esquerda, buscar a linha de fundo e fazer cruzamentos precisos com o pé esquerdo.

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Neto Berola (França),  Toscano (Ademir), Matheusinho (Christian);
Júnior Viçosa.
Técnico: Givanildo

URT:
Marcão;
Rodney, Gladstone, Marcos Vinícius e Djalma Silva;
Diogo Orlando (Bruno Aquino);
Juninho Potiguar (Kaio Wilker), Derly e Cascata (Gilson);
Carrara e Reis.
Técnico: Ito Roque

Gols: Neto Berola (2), Júnior Viçosa.

*

- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

Felipinho, Morelli, Rafael Oller, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também necessitam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

América-MG: Pré-jogo URT

Depois do jogo contra a URT, o Coelhão vai enfrentar o São Raimundo, quarta-feira em Roraima, pela Copa do Brasil, e o Cruzeiro, domingo, na sequência do Mineiro.

Manter a escalação do time considerado titular ou revezar os escalados deve ser o dilema, mais da comissão técnica do que do Givanildo, que habitualmente prefere priorizar o próximo jogo e optar por não mexer no time que está ganhando.

Ainda mais que, grande parte da torcida cobra resultado em prazo.

Talvez fosse interessante promover a estreia do Pedro, escalar Jônatas Belusso desde o início e Wesley Pacheco ser opção de substituição, porque Diego Jussani e Júnior Viçosa estão com dois amarelos e poderão desfalcar o time no clássico.

Aliás, Diego Jussani foi envolvido com facilidade no combate direto pelo chão, demonstrou baixa velocidade de recomposição defensiva e teve falhas de posicionamento nos cruzamentos aéreos e rasteiros.

Vulnerabilidade do setor defensivo e baixo poder de marcação dos extremos na recomposição são possíveis pontos críticos, que foram pouco testados devido a baixa qualidade ofensiva dos adversários.

Contra adversários mais ofensivos e qualificados, será necessária uma maior recomposição defensiva dos extremos avançados, mas por enquanto atacaram muito mais do que defenderam.

Ainda falta um meia-atacante pelo lado esquerdo mais produtivo e eficiente para executar a dupla função defensiva-ofensiva.

Toscano precisa encontrar o melhor posicionamento, centralizado, próximo do Matheusinho e com infiltrações na grande área a fim de aumentar o poder de finalização e decisão.

Independentemente da escalação, a distribuição tática*, a postura ofensiva e a competitividade deverão ser repetidas.

Leandro Silva e João Paulo foram mais produtivos na tarefa ofensiva.

Paulão parece estar mais bem preparado do que Diego Jussani, mas também precisa melhorar o posicionamento nos cruzamentos rasteiros e pelo alto.

Zé Ricardo, na posição de volante, tem total capacidade de assumir a função de armador do time, se fizer mais assistências verticais para finalizações, lançamentos em profundidade e ser mais finalizador.

Juninho precisa ser mais produtivo no campo ofensivo nos dois tempos, principalmente contra times mais compactados.

Outra opção de mudança contra adversários mais recuados, é a troca do Juninho pelo Christian ou por um ponta esquerda, Ademir ou Berola ou França, com Felipe Azevedo aberto no outro lado, e Matheusinho e Toscano mais próximos pelo centro.

Matheusinho e Toscano têm mais perfil do antigo ponta de lança camisa 10, que partia com a bola dominada para cima da defesa adversária, a fim de driblar ou passar ou finalizar.

Felipe Azevedo precisa ter mais poder de decisão, mas demonstrou poder ofensivo nas assistências e finalizações.

Ademir deveria ser utilizado aberto pela ponta esquerda, a fim de buscar a linha de fundo e fazer o cruzamento com o pé esquerdo.

França tem mais facilidade para jogar pelos dois lados. Vai precisar ter o mesmo desempenho, quando começar jogando.

Neto Berola deve ser mais produtivo e eficiente se entrar durante o jogo e atuar no campo ofensivo.

Júnior Viçosa executou a função de pivô,  participou da troca de passes, finalizou e marcou gols. Precisa aumentar a média de um gol marcado em cada três jogos.

Jônatas Belusso deveria ser testado desde o começo de uma partida.

Possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani (Pedrão), João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho (Christian);
Felipe Azevedo (Neto Berola, França, Felipinho), Toscano (Neto Berola, França, Ademir, Rafael Oller), Matheusinho (Neto Berola, Rafael Oller);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

no 4-1-4-1:
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani (Pedrão), João Paulo;
Zé Ricardo;
Felipe Azevedo, Toscano, Matheusinho, Neto Berola (Ademir, França);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

América x URT
sábado, 21h, Arena do Coelhão
vamos vencer, América!

*
- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

Felipinho, Morelli, Rafael Oller, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também necessitam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Patrocinense 0 x 0 América

A organização tática, a busca pelo controle do jogo e a competitividade foram repetidas, mas faltou mais jogadas individuais, apoio dos laterais, poder de finalização e decisão para conquistar a vitória fora de casa.

Apesar da posse de bola ofensiva do time americano, o adversário teve pelo menos duas chances para marcar, em jogadas de cruzamentos para dentro da área.

Aliás, a vulnerabilidade do setor defensivo contra adversários pouco ofensivos é bastante preocupante.

Diego Jussani foi o mais envolvido com facilidade, nas poucas jogadas em que precisou sair da grande área para fazer o combate individual e nos cruzamentos pelo alto e pelo chão. Possivelmente a desvantagem competitiva será maior, quando enfrentar jogadores mais bem qualificados do Atlético e Cruzeiro.

Por ter jogado praticamente quase todo o segundo tempo no campo do adversário, talvez tivesse sido mais interessante a substituição do Juninho pelo Ademir ou Berola ou França, a fim de formar uma linha ofensiva, com Felipe Azevedo, aberto no outro extremo, Matheusinho e Toscano centralizados, e Júnior Viçosa ou Jônatas Beluso mais adiantado.

Outra opção seria a entrada do Ademir ou Berola ou França no lugar do Toscano, porque estava pouco participativo no jogo, apesar de ter aumentado a produtividade na parte final.

Mesmo assim, o empate pode ser considerado bom resultado, devido ao desgaste provocado pela sequência de jogos, longas viagens de ônibus, falta de tempo para treinar uma equipe em processo de reconstrução e até condição de visitante.

Ainda houve dois possíveis pênaltis não marcados e um gol invalidado.

Destaque para Felipe Azevedo,  pelas finalizações e pelas assistências.

Fernando Leal fez uma grande defesa.

Leandro Silva e João Paulo poderiam ter apoiado mais, a fim de aumentar a força ofensiva, a amplitude de jogo e descompactar a defesa adversária.

Paulão precisa se posicionar melhor na bola aérea defensiva.

Zé Ricardo participou da marcação, da saída de bola, da troca de passes no setor ofensivo. Tem capacidade para forçar o passe vertical e voltar a ser finalizador.

Juninho é bastante competitivo, mas pouco produtivo ofensivamente contra adversários mais compactados.

Matheusinho participou da troca de passe e poderia ter feito um golaço depois da sequência de chapéus.

Toscano apareceu mais nos minutos finais do segundo tempo.

Júnior Viçosa fez um gol em possível impedimento.

Jônatas Belusso não pegou na bola.

Patrocinense:
Júlio César; Kellyton, Betão, Diego Borges e Ian Barreto;
Bruno Moreno, Tony Galego, Davi e Dedê (Fernando);
Felipe Alves (Otacílio Neto) (Val Barreto) e Pavani
Técnico: Wellington Fajardo

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Felipe Azevedo, Toscano, Matheusinho;
Júnior Viçosa (Jonatas Belusso)
Técnico: Givanildo

*
- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada

sábado, 2 de fevereiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Patrocinense

Sem tempo para treinar, quanto mais vezes o time americano repetir a padronização tática*, a competitividade e a atitude vencedora, maiores serão as possibilidades de vencer os confrontos, independentemente do acaso.

Por enquanto,  o controle do jogo, com posse de bola ofensiva, foi praticamente mais dos comandados pelo Givanildo do que dos adversários.

Recomposição defensiva dos meias-atacantes e poder de superação dos zagueiros foram pouco testados.

Fernando Leal foi pouco exigido.

Leandro Silva e João Paulo demonstraram qualidade ofensiva.

Paulão pareceu mais bem preparado do que Diego Jussani, que foi envolvido em jogadas de velocidade e levou dois amarelos em lances parecidos contra a Caldense e o Tombense.

Zé Ricardo tomou conta do meio-de-campo. Jogou de uma área a outra, com bastante regularidade no combate, no desarme, na saída de bola e na armação ofensiva. Ainda assim, tem total capacidade para aumentar o poder de finalização. É o que mais se aproximou das características de um armador, porque Matheusinho e Toscano têm mais perfil do antigo ponta de lança, que era o camisa 10, sem necessariamente ser o armador do time.

Juninho é bastante competitivo. Precisa manter o desempenho ofensivo produzido contra Tupi, quando fez assistências para gols.

Felipe Azevedo demonstrou poder ofensivo nas assistências e finalizações. Carece ser mais decisivo.

Matheusinho tem o perfil do antigo ponta-lança, que parte com a bola dominada pra cima da defesa adversária, driblando, passando ou finalizando. Poderá ser mais produtivo se flutuar no ataque e trocar mais passes com Toscano.

Toscano carece encontrar o melhor posicionamento, centralizado, próximo do Matheusinho e com infiltrações na grande área a fim de aumentar o poder de finalização e decisão.

Júnior Viçosa está mais participativo na troca de passes, nas finalizações e na marcação dos gols. Precisa aumentar a média de um gol marcado em cada três jogos.

Ademir, França, Jônatas Belusso e Neto Berola são as primeiras opções ofensivas de substituição.

Ademir parece ter mais potencial para buscar a linha de fundo pelo lado esquerdo e fazer o cruzamento com o pé esquerdo.

França tem mais facilidade para jogar pelos dois lados. Vai precisar ter o mesmo desempenho, quando começar jogando.

Jônatas Belusso participou das assistências para dois gols, mas artilheiro precisa ser decisivo.

Neto Berola perdeu espaço para Felipe Azevedo e talvez até para Ademir e França. Deve ser mais produtivo e eficiente se entrar durante o jogo.

Felipinho, Morelli, Rafael Oller, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Pedrão e Sávio também precisam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo.

Possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani (Pedrão), João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho (Christian);
Felipe Azevedo (Neto Berola, França, Felipinho), Toscano (Neto Berola, França, Ademir, Rafael Oller), Matheusinho (Neto Berola, Rafael Oller).
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

Patrocinense x América
domingo, 17h, Pedro Alves do Nascimento
vamos vencer, Coelhão!

*
- 4-4-2, sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- 3-4-3, com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- 4-2-3-1, com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada 

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Tombense 1 x 2 América

O adversário só foi ligeiramente superior, nos primeiros dez minutos, quando finalizou duas vezes, em jogadas construídas.

Depois, o time americano começou a buscar o controle do jogo, com posse de bola ofensiva, aumentou o poder de finalização, mas foi ineficiente nas conclusões.

Embora alguns dos impedimentos marcados tenham sido duvidosos, também houve erros de posicionamento dos americanos ou demora no último passe.

Ainda assim, quando o volume de jogo do Coelhão era maior, sofreu o gol, em jogada de contra-ataque.

No segundo tempo, o controle americano foi quase total.

Devido as condições adversas de jogos seguidos, viagens, gramado, o empate até poderia ser considerado um bom resultado, mas a vitória premiou a persistência, a manutenção do modelo de jogo* e a força do futebol coletivo, competitivo e combativo.

Destaque para a jogada do primeiro gol, iniciada pelo Matheusinho e finalizada pelo Júnior Viçosa, e a regularidade defensiva-ofensiva do Zé Ricardo, o dono do meio-de-campo.

Mesmo assim, Zé Ricardo tem total capacidade de voltar a ser mais lançador em profundidade e finalizador, como era nas categorias de base.

Fernando Leal: Praticamente não foi exigido.

João Paulo foi mais produtivo ofensivamente que Leandro Silva. Quanto mais ofensivos forem, maior será a produtividade dos laterais.

O amarelo do Diego Jussani foi em lance semelhante ao da Caldense. Precisa melhorar o posicionamento e o preparo físico, porque está lento na recomposição.

O voluntarioso Juninho foi supereficiente na finalização do gol da vitória. Necessita manter a produtividade do meio-de-campo para a frente.

Felipe Azevedo desperdiçou uma oportunidade de gol, mas foi o americano com maior poder de finalização.

Toscano, longe da grande área e muito aberto pela esquerda, participou mais do combate e da troca de passes do que da criação.  Deveria ter jogado mais centralizado e infiltrado dentro da grande área, a fim de ampliar as possibilidades de finalização e decisão.

Matheusinho foi participativo no combate e na distribuição das jogadas.

Júnior Viçosa mostrou poder de decisão e marcou um golaço.

França acreditou na jogada do segundo gol e fez assistência precisa para Juninho finalizar.

Tombense:
Felipe;
Bruno Ferreira (Abner), Lincoln Silva, Reynaldo e Bruninho;
Rodrigo, Lucas Chapecó (Marquinhos) e Juan (Everton);
Cássio Ortega, Édson e Denilson
Técnico: Ricardo Drubscky

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Felipe Azevedo, Toscano (França), Matheusinho (Christian);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)
Técnico: Givanildo

Gols: Júnior Viçosa e Juninho

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada 
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Tombense

Embora o jogo seja na casa do adversário, Givanildo e comissão técnica, na busca da formação ideal, devem repetir a distribuição tática*, o modelo de jogo e o time titular escalado contra o Tupi.

Talvez a temperatura e o gramado sejam as principais adversidades, porque possivelmente a grama dificultará a troca de passes e a condução da bola do time mais propositivo.

Ainda assim, o time americano deve buscar o controle do jogo, com bastante competitividade e posse de bola ofensiva.

Leandro Silva e João Paulo demonstraram produtividade e efetividade ofensiva. Os laterais marcaram três gols em três jogos. Leandro marcou dois e João Paulo um.

Paulão melhorou até no passe vertical na saída de bola, com a sequência dos jogos.

Falta Diego Jussani minimizar os erros na recomposição, nas rebatidas e nos desarmes.

Zé Ricardo é o dono do meio-de-campo, com intensidade e qualidade na marcação, criação e finalização.

Juninho melhorou a produtividade ofensiva no jogo contra o Tupi. Precisa manter a regularidade produtiva do meio-de-campo para a frente.

Felipe Azevedo aproveitou a ausência do Neto Berola e parece ter conquistado a titularidade. Talvez seja mais interessante, nos próximos jogos, utilizar Berola durante o segundo tempo.

Matheusinho, sem posição fixa, com liberdade para flutuar pelas beiradas e pelo centro, partindo pra cima com a bola dominada, aumentou a criatividade, o poder de finalização e os acertos na tomada de decisão entre driblar, finalizar ou passar.

Toscano, mais centralizado e com infiltrações na grande área, demonstrou mais poder de criação, finalização e decisão. Também é opção de gol em cobranças de falta.

Júnior Viçosa está mais dinâmico e participativo na troca de passes e na infiltração na grande área para finalizar.

Ademir marcou um gol quando infiltrou pela diagonal pelo lado direito, mas deveria ser mais utilizado pelo lado esquerdo, a fim de buscar a linha de fundo e fazer cruzamentos precisos com o pé esquerdo.

França tem mais facilidade para jogar pelos dois lados.

Jônatas Belusso se destacou pelas assistências.

Felipinho, Morelli, Rafael Oller, Ronaldo e Ynaiã precisam ter oportunidades durante o Mineiro para começar a se acostumar com o ambiente profissional.

Ronaldo e Ynaiã deveriam ter chances programadas contra adversários menos qualificados ou durante jogos menos disputados.

Messias, caso permaneça, Pedrão e Sávio também precisam jogar para não sentir tanto a falta de ritmo de jogo.

Possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão (Messias, Pedrão), Diego Jussani (Pedrão, Paulão) , João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho (Christian);
Felipe Azevedo (França, Felipinho), Toscano (França, Ademir, Rafael Oller), Matheusinho (Toscano, Rafael Oller).
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

Tombense x América
quarta-feira, 21h30, Almeidão
vamos vencer, Coelhão!

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada 
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada 








segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

América 5 x 0 Tupi

O time americano repetiu a distribuição tática *, controlou o jogo e com bastante dinamismo criou e aproveitou oportunidades.

Venceu, convenceu e demonstrou sintomas de evolução em duas das três situações com mais necessidades de ajustes.

- Felipe Azevedo pareceu mais preparado fisicamente para iniciar o jogo, jogar mais tempo que Neto Berola e ser mais eficiente. Fez assistência para o gol do Leandro Silva e marcou um gol, em jogada de infiltração dentro da área.

- Juninho foi mais produtivo do meio para a frente. Participou da jogada do gol do Leandro Silva, fez o lançamento para Felipe Azevedo marcar o terceiro gol, e lançou Jônatas Belusso, que fez o cruzamento para Ademir marcar o quinto gol.

- Faltou Diego Jussani ser mais eficiente nas poucas vezes em que foi acionado. Falhou numa recomposição defensiva no primeiro tempo e num desarme no segundo tempo.  Precisa melhorar o posicionamento e talvez até o preparo físico.

Destaque para Matheusinho, que sem posição fixa, com liberdade para flutuar pelos lados e pelo centro, partiu pra cima avacoelhando geral. Fez um golaço num cruzamento preciso do Zé Ricardo, começou pelo lado esquerdo a jogada do gol do Leandro Silva e participou pelo centro da jogada do gol do Felipe Azevedo.

Apesar da falta de tempo para fazer treinamentos, a engrenagem americana, inclusive com peças de reposição, está se ajustando durante os jogos.

Fernando Leal fez uma importante defesa no segundo tempo.

Leandro Silva e João Paulo foram mais produtivos e eficientes no apoio. Leandro Silva se destacou pelo gols feito. Três gols de laterais em três jogos.

Paulão apareceu mais ofensivamente do que defensivamente. Passou para Matheusinho iniciar a jogada do terceiro gol e marcou o quarto gol.

Zé Ricardo fez cruzamento preciso para o golaço do Matheusinho, combateu, desarmou, participou da saída de bola e da troca de passes no campo do adversário.

Toscano bateu bem uma falta, teve bastante movimentação e participou da distribuição das jogadas.

Júnior Viçosa fez o corta-luz para Zé Ricardo fazer o cruzamento preciso no golaço do Matheusinho, também teve bastante movimentação. Um gol em três jogos, mas com bastante participação ofensiva.

Ademir fez um cruzamento pelo lado esquerdo e marcou um gol.

França teve oportunidade para marcar um gol

Jônatas Belusso fez assistência para Ademir marcar o quinto gol.

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Felipe Azevedo (França), Toscano, Matheusinho (Ademir);
Junior Viçosa (Jonatas Belusso)
Técnico: Givanildo

Tupi:
Ricardo Vilar;
Afonso, Arthur Sanches, Aislan, Emerson Barbosa;
Diego Gomes, Eduardo Nardini, Fábio Henrique (Rodrigo Baiano) , Saulo.
Hugo Ragelli (Breno), Gabriel Costa (Nélio).
Técnico: Aílton Ferraz.

Gols: Matheusinho,, Leandro Silva, Felipe Azevedo,Paulão e Ademir

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, o meia centralizado ou Berola e o centroavante, na frente das duas linhas.


- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
www.facebook.com/avacoelhada 
twitter.com/Avacoelhada
www.instagram.com/avacoelhada 






sábado, 26 de janeiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Tupi

A busca pela formação ideal, na reconstrução do time americano, será durante os jogos, devido ao pouco tempo para fazer treinamento entre as partidas.

Ainda assim, o modelo de jogo* e a postura estão definidos.

O time americano é bastante propositivo, competitivo e combativo, com posse de bola ofensiva.

No mínimo, existem três ajustes mais preocupantes:

- Apesar de ter sido pouco exigida, a nova dupla de zaga formada pelo Paulão e Diego Jussani parece que será o setor mais vulnerável, quando enfrentar adversários mais qualificados. Jussani precisa melhorar o posicionamento e a precisão nas rebatidas.

- O voluntarioso Juninho é bastante competitivo, mas tem pouco poder criativo, principalmente contra adversários recuados. Christian tem mais potencial ofensivo para formar uma dupla bastante qualificada com Zé Ricardo. Ainda a opção do Morelli ou a transformação do 4-2-3-1 em 4-1-4-1 porque as linhas são bem compactadas na recomposição e na transição.

- Devido a falta de condicionamento físico para suportar 90 minutos em alta intensidade, talvez Neto Berola seja mais produtivo no segundo tempo, quando normalmente as linhas de marcação dos adversários ficam mais espaçadas. Felipe Azevedo entrou bem contra o Villa Nova e deve ser opção de titular.

Nas outras posições, a engrenagem está mais ajustada e com tendências a evoluir.

Os laterais Leandro Silva e João Paulo demonstraram qualidade ofensiva.

Zé Ricardo é o dono do meio-de-campo, com intensidade e qualidade na marcação, criação e finalização.

O posicionamento ideal do Matheusinho é não ter posição fixa. A produtividade aumentou com liberdade para flutuar pelas beiradas e pelo centro, partindo pra cima com a bola dominada.

Toscano demonstrou mais poder de criação, finalização e decisão, quando atuou centralizado, com infiltrações na grande área.

Júnior Viçosa deve ser mais dinâmico para fazer o pivô na troca de passes e também infiltrar na grande área para finalizar.

Jônatas Belusso participou da troca de passes em dois contra o Villa Nova.

Talvez seja possível a utilização do Viçosa e Belusso juntos.

Contra o Tupi, possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão (Pedrão), Diego Jussani (Pedrão, Lucas Bolívia) , João Paulo;
Zé Ricardo, Christian;
Neto Berola (Felipe Azevedo, Matheusinho, Felipinho, França), Matheusinho (Toscano, Rafael Oller), Toscano (Felipe Azevedo, França, Ademir, Rafael Oller);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

ou transformado em 4-1-4-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão (Pedrão), Diego Jussani (Pedrão, Lucas Bolívia), João Paulo;
Zé Ricardo;
Neto Berola (Felipinho, França), Matheusinho, Toscano, Felipe Azevedo (França, Ademir, Rafael Oller);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso)

América x Tupi
domingo, 17h, Arena do Coelhão
vamos pra cima deles!

---------------------------------------------------------------------------------

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
---------------------

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

América 3 x 0 Villa Nova

De forma avacoelhadora, como bem definiu Ênio Lima, ao narrar o gol marcado pelo João Paulo, o Coelhão venceu, goleou e convenceu.

Na vitória sobre o Villa Nova, a ideia de jogo* foi repetida.

O time americano buscou o controle da partida,  foi combativo, com posse de bola ofensiva, criou e aproveitou oportunidades.

No primeiro tempo, faltou poder de decisão.

Matheusinho, em cruzamento preciso do Berola, e Berola, em assistência perfeita do Matheusinho, foram as finalizações mais perigosas.

No segundo tempo, depois do primeiro gol, em jogada individual do Matheusinho e conclusão do Júnior Viçosa, o time do Villa Nova tentou ser mais ofensivo, e os comandados pelo Givanildo aproveitaram com bastante eficiência a descompactação do adversário.

Felipe Azevedo e Jônatas Belusso, que entraram na etapa complementar, participaram das jogadas do segundo e terceiro gol.

Destaque para Matheusinho avacoelhando geral. Sem posição fixa, flutuou no campo ofensivo, partiu pra cima com a bola dominada, driblou, finalizou e fez assistências. Aos 20 anos, dentro de um processo normal, estaria no primeiro ano do profissional, mas recuperado da operação no joelho e em processo de evolução, vai acelerar o aprimoramento, antes de completar 23 anos.

Zé Ricardo, o dono do meio-de-campo, também se destacou. De uma área a outra, participou da marcação, da saída de bola, trocou passes no campo do adversário e finalizou. Merecia ter feito o gol, mas novas oportunidades serão criadas e aproveitadas.

Fernando Leal praticamente foi pouco exigido.

Leandro Silva e João Paulo foram mais produtivos no apoio. João Paulo se destacou pelo gol feito. Dois gols de laterais em dois jogos.

Paulão e Diego Jussani foram pouco exigidos, mas Diego Jussani ainda passa a impressão de ser lento na recomposição defensiva. Precisa melhorar nas rebatidas.

Juninho foi bastante competitivo, correu o campo todo, fez cobertura pelo lado para Neto Berola, mas carece ter mais poder de criação e finalização.

Neto Berola acertou um cruzamento preciso para Matheusinho e uma finalização. Talvez seja mais produtivo se for utilizado durante o segundo tempo, quando normalmente as lindas de defesa dos adversários ficam mais descompactadas.

Toscano: Foi mais produtivo e decisivo quando jogou mais centralizado, próximo da grande área.

Júnior Viçosa: Muito estático  e sem poder de decisão no primeiro tempo. Na segunda etapa, foi mais dinâmico e decisivo.

Morelli entrou no minuto final, mas igual ao Christian, tem potencial para defender e atacar.

América
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho (Morelli);
Neto Berola (Felipe Azevedo), Matheusinho, Toscano;
Júnior Viçosa (Jonatas Belusso)
Técnico: Givanildo

Villa Nova
Georgemy;
Luís Felipe, Rafael Vitor, Batista e Eron (Danilo);
Roger Bernardo, Eurico (Pinguim), Ramires e Diney;
Elias e Hiwry (Felipinho)
Técnico: Fred Pacheco

Gols: Júnior Viçosa, Toscano, João Paulo

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, o meia centralizado ou Berola e o centroavante, na frente das duas linhas.


- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
---------------------

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Villa Nova

Os desafios do Givanildo e Comissão Técnica durante o Mineiro 2019, na preparação da base do time que disputará a Série B, serão:

- Equilibrar o poder defensivo e ofensivo dos laterais Leandro Silva e João Paulo.

- Testar Ronaldo e Ynaiã em alguns jogos.

- Melhorar o posicionamento do Paulão e Diego Jussani, para não serem envolvidos nas jogadas aéreas e rasteiras.

- Entrosar Pedrão.

- Modificar a distribuição tática dos meios-campistas ou utilizar outro volante mais qualificado ofensivamente,  Christian ou Morelli, no lugar do voluntarioso Juninho, para aumentar a qualidade na troca de passes, a criatividade e força de ataque.

- Encontrar o melhor posicionamento do Matheusinho e Toscano.

- Planejar a utilização do Neto Berola durante os jogos, devido a condição física do jogador.

- Dar oportunidades reais para França e principalmente Felipinho, acostumado a executar a dupla função defensiva-ofensiva pelos lados.

- Testar a capacidade física, tática e técnica do Rafael Oller.

-  Utilizar  Ademir pelo lado esquerdo, para o jogador buscar a linha de fundo e fazer cruzamentos precisos com o pé esquerdo.

- Verificar a capacidade física do Felipe Azevedo na dupla função defensiva-ofensiva pelos lados.

- Testar o poder de decisão de Jônatas Belusso, Júnior Viçosa, Wesley Pacheco e até Toscano, na função de centroavante.

- Iniciar ou continuar a transição do Luisão, Flávio, Sabino (volante), João Gabriel e Lucas Luan (meia-atacante centralizado ou de lado).

- Padronizar a ideia básica de jogo*

Contra o Villa Nova, possível escalação e sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Christian;
Neto Berola (Matheusinho, Felipinho, França), Matheusinho (Toscano, Rafael Oller), Toscano (Felipe Azevedo, França, Ademir, Rafael Oller);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso, Wesley Pacheco, Toscano)

ou transformado em 4-1-4-1

Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo;
Neto Berola (Felipinho, França), Matheusinho, Toscano, Felipe Azevedo (França, Ademir, Rafael Oller);
Júnior Viçosa (Jônatas Belusso, Wesley Pacheco, Toscano)

América x Villa Nova
quinta-feira, 19h, Arena do Coelhão
vamos pra cima deles!

---------------------------------------------------------------------------------

*
- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, o meia centralizado e o centroavante, na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
---------------------


segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Caldense 1 x 1 América

O desempenho físico, tático e técnico dos jogadores americanos foi dentro da normalidade de um time em processo de reconstrução, com a escalação de oito novidades entre os titulares.

Juninho, Matheusinho e Zé Ricardo foram os três remanescentes do time considerado titular em 2018.

Na casa do adversário, em horário e gramado inadequados para a prática de futebol de alto rendimento, os comandados do Givanildo buscaram o controle do jogo, com bastante posse de bola ofensiva e demonstraram competitividade para buscar o empate.

A distribuição tática ficou próxima do modelo de jogo utilizado na conquista da Série B. *

Independentemente das condições adversas e do resultado, que é diferente de desempenho, faltou mais poder de finalização e decisão, porém o mais preocupante seria se tivesse jogado de igual para igual ou até ter sido dominado pelo adversário.

O time da Caldense praticamente só acertou a conclusão do gol feito em impedimento.

Fernando Leal não foi exigido.

Leandro Silva e João Paulo foram mais produtivos, quando avançaram mais. Leandro Silva se destacou pelo gol feito, em assistência do João Pedro. De lateral para lateral.

Nas poucas vezes em que o adversário foi ofensivo, Paulão e Diego Jussani sentiram a falta de entrosamento. Sem Messias, a zaga perdeu força nas rebatidas. Paulão ainda forçou muito o passe na saída de bola. Diego Jussani está sem o posicionamento e tempo de bola ideal.

Embora Juninho seja bastante competitivo, a produtividade ofensiva é muito baixa contra times em que o controle do jogo é americano.

Neto Berola repetiu os sintomas crônicos de deficiência muscular para jogar dois tempos em alta intensidade, mas  demonstrou capacidade técnica ofensiva, no primeiro tempo.

Júnior Viçosa foi pouco dinâmico na movimentação para receber assistências, trocar passes e finalizar.

Ademir pouco produziu pelo lado direito. Talvez seja mais produtivo pelo lado esquerdo, a fim de buscar a linha de fundo em alta velocidade e fazer o cruzamento com o pé esquerdo.

França perdeu oportunidade para finalizar com precisão, mas ocupou bem o espaço vazio na defesa adversária.

Toscano, pelo lado esquerdo, rendeu menos do que pode render pelo centro.

Aliás, as principais oportunidades ofensivas foram por meio da troca de passes e de posição entre Matheusinho e Toscano.

Matheusinho desperdiçou grande chance de finalizar ou passar para Berola, mas demonstrou senso de deslocamento ao se livrar da marcação para receber o passe do Toscano. Também cabeceou para fora um cruzamento preciso do Berola.

Toscano, centralizado, acertou três finalizações e bateu uma falta com perigo. Duas das tr/~es finalizações  certas foram em assistências do Matheusinho.

Destaque para a intensidade, resistência física e qualidade do Zé Ricardo na transição ofensiva e recomposição defensiva.

Caldense:
Omar;
Lazarini, Renato Silveira, Robinho (Rodolfo Manoel), Edu Pina;
Renan, Jean, Fernando Baiano;
Édipo, Thiaguinho (Judson), Salatiel (Leleco)
Técnico: Ito Roque

América:
Fernando Leal;
Leandro Silva, Paulão, Diego Jussani, João Paulo;
Zé Ricardo, Juninho;
Neto Berola (Ademir), Matheusinho (Felipe Azevedo), Toscano (França);
Júnior Viçosa
Técnico: Givanildo

Gol: Lazarini (Caldense); Leandro Silva

* Basicamente:

- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, o meia centralizado e o centroavante, na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

--------------------
Marco Antônio
--------------------

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

América-MG: Pré-jogo Mineiro 2019

Givanildo Oliveira e Comissão Técnica, possivelmente, vão usar um modelo de jogo parecido com o utilizado pelo Enderson Moreira, na conquista da Série B, em 2017.

Basicamente:

- Sem a bola, na formação defensiva compactada, com todos jogadores no campo de defesa.
-- a primeira linha com 4;
-- a segunda também com 4;
-- e 2 jogadores, o meia centralizado e o centroavante, na frente das duas linhas.

- Com a bola:
-- 3 jogadores no início da transição;
-- 4 na segunda linha;
-- 3 mais avançados;
-- mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e do meia centralizado.

- Com e sem a bola, na distribuição tática mais espaçada:
--  primeira linha defensiva com 4 jogadores;
--  segunda com 2 volantes;
--  terceira com 3 meias;
--  última com 1 centroavante
--  mais flutuações ofensivas dos laterais, volantes e meia e centralizado
--  mais recomposição defensiva, principalmente dos meias-atacantes de lado.

O time americano deve buscar o equilíbrio básico do futebol, entre defender e atacar, próximo da máxima produtividade e eficiência.

 Equipe 2019:

- Goleiros:
Fernando Leal, Glauco, Jori;
Posição de alto risco, sem direito a falhas, até o experiente Fernando Leal está sujeito a erros.

- Laterais-direitos:
Leandro Silva, Ronaldo e Ynaiã
Precisa ter força, resistência física para defender e atacar em alta intensidade, velocidade e precisão nos cruzamentos.

- Zagueiros:
Luisão, Messias e Paulão pela direita;
Diego Jussani e Lucas Bolívia, na esquerda.
Posicionamento, imposição física, eficiência na bola alta e rasteira, e velocidade de recuperação e antecipação.
Para a Série B, deve ser preciso mais um quarto-zagueiro.

- Laterais-esquerdos:
João Paulo e Sávio.
Precisa ter força, resistência para defender e atacar em alta intensidade, velocidade e precisão nos cruzamentos.

Pelos números do Footstats, João Paulo, foi bastante participativo no apoio, quando jogou pelo Figueirense.

Volantes:
Christian, Flávio, João Gabriel, Juninho, Márcio, Morelli, Sabino e Zé Ricardo.

Posição com mais opções de jogadores com intensidade e resistência física para defender e atacar, mas é preciso acreditar no desenvolvimento e aproveitamento dos mais novos.

Christian e Zé Ricardo poderão formar no profissional a eficiente dupla da base, com qualidade na marcação, intensidade para defender, atacar e finalizar.

O voluntarioso Juninho se destaca pela competitividade.

Flávio é participativo na marcação e na distribuição das jogadas. Precisa ser mais finalizador.

João Gabriel foi um dos destaques da Copa São Paulo 2019. Força, intensidade e eficiência nas finalizações.

Morelli demonstrou potencial para defender e atacar.

Sabino tem mais potencial na função de volante do que zagueiro.

Meias-atacantes de lado:
Ademir, Felipe Azevedo, Felipe Clemente, Felipinho, França, Lucas Luan, Matheusinho, Neto Berola, Toscano e Victor Emiliano.

Função semelhante ao do lateral. Por isso alguns técnicos escalam uma dupla de laterais. Precisa ter força, resistência e velocidade para defender e atacar em alta intensidade.

Apesar da versatilidade, a dúvida é em relação ao condicionamento físico ideal para executar a dupla função defensiva-ofensiva, principalmente pelo lado esquerdo.

O posicionamento do 4-3-3 de 1993, com Euller, Hamilton e Robson, é diferente do momento atual, que exige a recomposição a fim de compactar a marcação no campo defensivo.

Matheusinho é mais produtivo e eficiente, quando parte com a bola dominada, pelo centro. A passada é curta para ser lançado em profundidade pelos lados.

Neto Berola é mais participativo na parte ofensiva, no último terço do campo, do que na defensiva. Tem histórico de lesões e desgaste físico, com dificuldades para suportar 90 minutos e jogos seguidos.

Ademir tem velocidade, mas baixa resistência para jogar os dois tempos. Deveria atuar mais pela esquerda, porque tem dificuldades com a direita, para acertar o complemento das jogadas.

França, igual ao Rafael Oller, talvez pelo condicionamento físico, foi mais produtivo quando entrou durante os jogos do que quando começou entre os titulares.

Toscano tem mais potencial para jogar centralizado ou até avançado, na função de centroavante, sem a necessidade de recuar tanto, caso seja escalado nos extremos.

Talvez Felipinho seja o mais pronto fisicamente e taticamente para defender e atacar, porque jogou também jogou de lateral.

Lucas Luan tem mais potencial para ser utilizado na função de meia-atacante do que lateral-esquerdo. Em fase de transição, poderá assumir o protagonismo do Sub-20, na função de meia-centralizado ou de lado, e ser mais bem aproveitado no profissional.

Victor Emiliano também jogou na função de lateral-esquerdo e tem capacidade para defender e atacar.

Meias centralizados:
Matheusinho, Rafael Oller, Toscano, Lucas Luan, Victor Emiliano.

Repertório variado, qualidade técnica, intensidade, velocidade, força, poder de finalização e decisão.
Será preciso mais um meia centralizado para disputar a Série B.

Matheusinho tem mais poder de criação se jogar pelo centro, partindo com a bola dominada, com opção de driblar para os dois lados ou passar ou finalizar.

Rafael Oller, igual ao França, talvez pelo condicionamento físico, foi mais produtivo quando entrou durante os jogos do que quando começou entre os titulares.

Centroavante: Júnior Viçosa, Jônatas Belusso e Wesley Pacheco.

Imposição física sobre os zagueiros e poder de decisão.

Jônatas Belusso teve uma ótima fase em 2017, pelo Brusque e pelo Londrina
Júnior Viçosa foi mais decisivo no começo da carreira.
Wesley Pacheco tem força física. Talvez se destaque no Mineiro.

Em cada partida do Mineiro, deve ser mais interessante fazer pelo menos uma mudança programada entre os titulares que começaram o próximo jogo e três novidades entre os que vão entrar durante os 90 minutos.

Possível time com sugestões de mudanças na formação básica 4-2-3-1 para o jogo de estreia:

Fernando Leal;
Leandro Silva, Messias, Diego Jussani, João Paulo;
--------------------------------------------------------------------
Zé Ricardo, Christian; (momento de jogarem juntos mais vezes).
A escalação do Juninho vai continuar a dividir opiniões. Cada um com a sua preferência, ainda mais, que possivelmente, além do Christian, Morelli vai pedir passagem.
--------------------------------------------------------------------

Neto Berola (Matheusinho, França, Felipinho), Matheusinho ou Toscano, Matheusinho  ou Toscano
(Ademir, França, Felipinho, Felipe Azevedo);

Certezas das dúvidas:

Berola está preparado fisicamente para defender e atacar pelo lado em alta intensidade? Vai ser mais ofensivo, sem recuar tanto?

Toscano está preparado fisicamente para defender e atacar pelo lado em alta intensidade? Vai ser mais ofensivo, sem recuar tanto?

No futebol atual, é possível os extremos serem mais ofensivos sem voltar para o campo defensivo a fim de colaborar com a marcação?

Matheusinho ou Toscano pelo centro?

Matheusinho pela direita ou esquerda?

Toscano na função de centroavante?

Felipe Azevedo está bem preparado fisicamente?

Ademir? Felipinho? França?

---------------------------------------------------
Junior Viçosa (Toscano, Wesley Pacheco)
---------------------------------------------------

Caldense x América
domingo, 11h, Ronaldão (Rex?)
vamos vencer, Coelhão

--------------------
Marco Antônio
-------------------


terça-feira, 15 de janeiro de 2019

América-MG: Desempenho do Coelhãozinho na Copa São Paulo 2019

A Copa São Paulo é uma facilitadora na divulgação dos jogadores do sub-20, mas é o primeiro torneio do ano, com jogos seguidos, em curto espaço de tempo, e partidas realizada em gramados ruins.

Ainda assim, os comandados pelo Paulo Ricardo demonstraram modelo de jogo definido, determinação, postura ofensiva e buscaram o controle nos cinco jogos disputados, em dez dias de competição.

Até nas derrotas para o Atlântico e Botafogo, o time americano dominou os adversários e finalizou mais vezes.

Faltou mais eficiência nas finalizações, a fim de minimizar a dependência do acaso, como ocorreu no gol do Einstein contra o Cuiabá.

É bom lembrar que, em 2017, o sub-20 perdeu um ano de desenvolvimento, devido a aposta equivocada no Fred Pacheco.

Sob o comando do Fred Pacheco, o time americano não conseguiu superar nem adversários com menos qualidades do interior mineiro e foi o quinto colocado no hexagonal final.

Paulo Ricardo começou a reestruturação em março de 2018 e o Coelhãozinho disputou a final do Mineiro contra o Cruzeiro, perdendo na disputa de pênaltis.

Na Copa São Paulo 2019, João Gabriel, no início do segundo ano de sub-20, foi um dos destaques, enquanto Leo Lucas, no último ano do sub-20, rendeu menos do que deveria e poderia ter rendido.

Talvez seja preciso um tipo de trabalho diferenciado com o Leo Lucas a fim de recuperar e potencializar o futebol dele.

Guilherme, Roni e Valdir precisam ter mais poder de decisão.

Pedro está em processo de evolução na função de centroavante.

Vitão é bastante promissor.

Flávio, Lucas Luan, Luisão, Ronaldo e Sabino também se destacaram.

Sabino tem mais potencial na função de volante.

Lucas Luan, na função de meia-atacante de lado ou centralizado, poderá aumentar a produtividade,  assumir o protagonismo do sub-20 e ser mais bem utilizado no profissional.

Alias, como o principal objetivo da base é o aproveitamento no profissional, Flávio, João Gabriel, Lucas Luan, Luisão, Ronaldo e Sabino deveriam começar a integrar a equipe principal, no primeiro passo da transição, antes de ultrapassar a idade limite do sub-20.

Os mais promissores para disputar a Copa São Paulo 2020 precisam jogar mais vezes no sub-20 em 2019.

Entre eles, Eistein, Vitor Hugo, Gabriel, Gustavinho, Goldeson e Vitão. 

Goldeson também pode ser utilizado na função de meia-atacante de lado.

Em compensação, os que estão no último ano do sub-20, mas com poucas possibilidades de evolução em 2019 e futuro aproveitamento no profissional, deveriam ser emprestados ou perderem a condição de titulares absolutos.

Também é preciso encontrar o ponto de equilíbrio entre captação e formação.

Paulo Bracks demonstrou grande potencial de realização, na direção administrativa das categorias de base, inclusive com possibilidades de também ser utilizado no futebol profissional.

O técnico Paulo Ricardo tem muita experiência na base. Foi técnico do infantil do Coelhãozinho, na época em que Enderson Moreira comandava o juvenil.

Cauan poderia ser efetivado no cargo de auxiliar do sub-20 e outro técnico experiente assumir o comando do sub-17.

Mesmo assim, tanto na base como no profissional, falta um gerente de futebol, com grande conhecimento de vestiário, experiência vitoriosa e capacidade de liderança.

Um dos dilemas é sobre o perfil deste profissional.

Existem o que defendem a tese da necessidade de ex-jogadores nesta função.

Se não for um ex-jogador, que seja um profissional de outra área com experiência comprovada na gestão técnica.

------------------------------------
Marco Antônio
------------------------------------