domingo, 22 de outubro de 2017

América-MG 1 x 1 Paraná

O empate com o Paraná mais a combinação de resultados favoreceram o América, que continuou na vice-liderança, manteve a distância do quinto colocado, o Vila Nova, e se aproximou um pouco mais da confirmação do acesso para a primeira divisão.

A metade vazia do copo também poderia ser evidenciada.

Uma vitória manteria a distância para o Internacional, aumentaria em relação ao terceiro, quarto e quinto colocados, e ficaria ainda mais próximo da Série A de 2018.

Mas se o resultado não foi o melhor possível, o desempenho voltou a ser quase satisfatório porque jogou com atitude vencedora.

O gol do adversário foi uma falha individual do Pará, que fez pênalti sem necessidade.

Apesar de certa vulnerabilidade pelo lado esquerdo no primeiro tempo, a consistência defensiva americana prevaleceu, principalmente depois do deslocamento do Ernandes para a lateral, no segundo tempo. João Ricardo só foi exigido nos cruzamentos.

Os comandados do Enderson Moreira fizeram a proposta de jogo, tiveram posse de bola no campo do adversário e poder de reação para buscar o empate e ainda criaram oportunidades para vencer o confronto.

Faltou eficiência e sorte nas finalizações, mas o futebol coletivo, competitivo e combativo foi recuperado.

Destaque para Matheusinho que mais buscou o jogo no primeiro tempo, Norberto, a entrada do Neto Moura no intervalo, e a produtividade ofensiva do Ruy, no segundo tempo.

posse de bola: 62 x 38
finalizações certas: 3 x 1
finalizações erradas: 19 x 2
passes certos: 421 x 191
passes errados: 50 x 27
cruzamentos certos: 7 x 2
cruzamentos errados: 37 x 19
escanteios: 8 x 3

João Ricardo só foi exigido nas jogadas de cruzamentos.

Norberto: Bastante participativo na saída de bola e no apoio, principalmente depois da entrada do Neto Moura. Acertou 64 passes, errou quatro.

Messias e Rafael Lima: Mantiveram a consistência defensiva, participaram da saída de bola, mas Rafael Lima errou passes e lançamentos, que não costuma errar. Messias acertou 56 passes, errou quatro.; Rafael, acertou 47, errou três passes e dois lançamentos.

Pará: Sub-23 em processo de formação e oscilação, vacilou no pênalti cometido e foi improdutivo no apoio.  Acertou 12 passes, errou três.  Perdeu três vezes a posse de bola e errou três cruzamentos.

Juninho: Improdutivo no primeiro tempo, na saída de bola e no apoio, aumentou a produtividade no segundo tempo, depois da entrada do Neto Moura.

Ernandes: Manteve a segurança defensiva na lateral.

Matheusinho: Participou da marcação e buscou o jogo no primeiro tempo.

Ruy:  Foi mais produtivo no segundo tempo, quando chamou a responsabilidade na criação, teve poder de finalização e fez o lançamento para Luan sofrer o pênalti.

Luan: Competitivo, sofreu o pênalti, mas foi pouco produtivo. Talvez pelo desgaste ou pela ausência do Giovanni. Só três finalizações erradas.

Bill: Distante da área, teve dificuldades para finalizar, fazer o pivô e abrir espaços para as infiltrações dos meias, volantes e laterais.

Neto Moura: Função parecida com a do Zé Ricardo. Ao participar da saída de bola, liberou Norberto para apoiar.

Renan Oliveira: Sem poder de finalização jogou muito fixo pela direita.

Edno: Poderia ter entrado antes. Talvez até no lugar do Luan.

Enderson Moreira: Acertou na mudança feita no intervalo, manteve o padrão tático, a organização e o time voltou a fazer a proposta de jogo, sem deixar o adversário gostar da partida.

AMÉRICA:
João Ricardo;
Norberto, Messias, Rafael Lima e Pará (Neto Moura);
Juninho, Ernandes,
Matheusinho (Renan Oliveira), Ruy, Luan;
Bill (Edno).
Técnico: Enderson Moreira.

PARANÁ:
Richard;
Júnior, Iago Maidana, Eduardo Brock e Igor;
Vinícius Kiss (Jhony), Gabriel Dias, Robson e João Pedro (Murilo Rangel);
Vitor Feijão e Rafhael Lucas.
Técnico: Matheus Costa.

Gols: Bill e João Pedro

--------------------------------------------------------------

Marco Antônio

Um comentário:

CAC disse...

Perguntar não ofende: Zé Ricardo e Neto Moura não poderiam atuar juntos contra o Boa?
Ontem o Neto foi mais 2º volante, jogando avançado. E chamou o jogo, mudando completamente a cara do time.
Ambos são habilidosos. Alguém duvida que formariam melhor dupla que Ernandes e Juninho?