sexta-feira, 21 de junho de 2024

Coritiba 1 x 0 América

Apesar da utilização de quatro atacantes no segundo tempo, faltou qualidade ofensiva para transformar o volume de jogo em finalizações, ainda mais contra um Coritiba retrancado, depois de ter feito o gol. 

Adyson e Fabinho foram os mais participativos entre os dois atacantes titulares e os quatro substitutos. 

Embora a padronização do modelo de jogo definido pelo Cauan e incorporado pela equipe seja um diferencial competitivo, poderá ser interessante, de acordo com o adversário, especialmente fora de casa, e as circunstâncias do jogo,  utilizar uma estratégia alternativa, com uma postura mais equilibrada entre o defender e atacar, e a exploração de jogadas em contra-ataque.

Mas se Benítez, caçado em campo pelos adversários, for vetado para enfrentar o Avaí, a manutenção de quatro jogadores no meio-campo deverá ser a melhor escolha, porque as opções do meio-campo estão mais produtivas do que as atuais para formar um trio ofensivo, ainda mais sem Varanda e Vinícius. 

Felipe Amaral ou Wallinsson formaria o meio-campo com Alê, Juninho e Moisés. 

Ainda Gustavinho e Yago. 

Brenner carece aproveitar as oportunidades, a fim de ser opção de finalização dentro da área pelo alto e pelo chão.

Jacaré precisa vencer mais duelos individuais, ser mais finalizador e decisivo. 

Renato diminuiu o número de finalizações no esquema com dois atacantes. 

Adyson e Felipe Azevedo parecem ter mais perfil para formar dupla de ataque com Fabinho, porque são mais qualificados na troca de passes fora da área, nas assistências e nas finalizações. 

Mateus Henrique, poderia ser utilizado no meio-campo ou meia-atacante pelo lado direito. 

Coritiba
Pedro Morisco; 
Natanael, Maurício Antônio, Bruno Melo e Rodrigo Gelado; 
Morelli (Sebastián Gómez), Geovane Meurer (Lucas Ronier), Vini Paulista (Matheus Bianqui) e Matheus Frizzo; 
Figueiredo (Jamerson) e Leandro Damião (Brandão). 
Técnico: Fábio Matias.

América:
Dalberson; 
Daniel Borges, Éder, Ricardo Silva e Marlon; 
Alê (Wallisson), Juninho (Jacaré), Benítez (Adyson) e Moisés; 
Fabinho (Felipe Azevedo) e Renato (Brenner). 

terça-feira, 18 de junho de 2024

América 2 x 1 CRB

O Coelhão venceu, convenceu e voltou a demonstrar potencial de aproveitamento durante a competição, porque manteve a padronização do modelo de jogo, bastante competitivo, ofensivo e organizado, o time americano dominou completamente o adversário, e o desempenho foi melhor que o resultado. 

Destaque para o quarteto do meio-campo formado pelo Alê, Juninho, Moisés, e especialmente Benítez, para o poder ofensivo do Fabinho, e para Cauan, pelas escolhas acertadas. 

Moisés, Benítez, e Fabinho participaram da jogado do gol feito pelo Juninho. Moisés e Benítez participaram da jogada do gol feito pelo Fabinho.

A mudança do posicionamento funcional feita pelo Cauan no Brasileirão aumentou a produtividade ofensiva do Fabinho, artilheiro da Série B. 

Faltou Renato receber mais assistências para serem finalizadas dentro da área e Brenner ter aproveitado a oportunidade de gol, para aumentar a confiança e o rendimento nos próximos jogos. 

Poderá ser interessante Felipe Azevedo também ser opção de segundo atacante, mais centralizado.

Ainda assim, de acordo com o adversário ou durante os jogos será possível utilizar um trio no meio-campo e um ofensivo.

Felipe Amaral e Wallinsson são as opções do meio-campo.

Adyson, Brenner, Felipe Azevedo e Jacaré, opções para o ataque. 

América:
Dalberson; 
Daniel Borges, Éder, Julio e Nicolas; 
Alê, Juninho (Felipe Amaral), Moisés (Wallisson) e Benítez (Brenner); 
Fabinho (Jacaré) e Renato (Adyson)
Técnico: Cauan 

CRB: 
Matheus Albino; 
Hereda, Gustavo Henrique, Darlisson e Jorge (Matheus Ribeiro);
Falcão, João Pedro e Gegê (Rômulo); 
Raí Anselmo Ramon (João Neto) e Léo Pereira (Getúlio)


quarta-feira, 12 de junho de 2024

América 2 x 0 Ponte Preta

No primeiro jogo depois da derrota para o Paysandu, o Coelhão foi resiliente, venceu, convenceu e demonstrou possibilidades de evolução durante a competição, porque, apesar de ter mudado a distribuição tática, com a escalação de quatro jogadores no meio-campo, manteve o padrão do modelo de jogo, definido pelo Cauan e incorporado pela equipe, dominou o adversário, e Daniel Borges,  Felipe Amaral, e Benítez, novos titulares, Juninho e Moisés, pelo dinamismo, e Fabinho, pela efetividade, foram os destaques do jogo.

Diferentemente dos jogos, em que defendeu mais do que atacou, Daniel Borges, praticamente na função de meia-atacante de lado, foi bastante produtivo no ataque, e Felipe Amaral demonstrou potencial para ser utilizado ais vezes. 

Ainda assim,  Alê, o melhor jogador da Série B pelo SofaScore, e Benítez, o líder do campeonato em assistências para gols, deverão fazer parte de um trio ou quarteto do meio-campo. 

Talvez tivesse sido mais interessante, Adyson, em vez do Gustavinho, ter entrado no lugar do Fabinho. 

Para enfrentar e vencer o CRB, Dalberson carece continuar ser menos participativo na saída de bola curta, e na bola longa fazer lançamentos em profundidade no campo do adversário, para o centroavante ou para os pontas. 

Paulinho e Yago poderão ser opções de substituição do Nícolas. 

Talvez Alê, Juninho e Benítez entre os titulares, com Felipe Amaral, Wallisson e Moisés entre os reservas, ou outra combinação entre eles. 

Embora seja bastante efetivo nos gols feitos, Fabinho, pela habilidade, intensidade e velocidade, deveria buscar vencer duelos individuais, enquanto Renato necessita entrar mais na área, a fim de ser mais decisivo nas finalizações. 

No caso de três atacantes, Adyson e Fabinho partindo para cima avacoelhando geral. 

Varanda deveria voltar a ser relacionado, porque tem potencial de aproveitamento, preferencialmente no corredor central, ou pelos lados, até para ser o segundo atacante no 4-4-2. 

América
Dalberson;
Daniel Borges, Ricardo Silva (Julio), Éder, Marlon (Nicolas); 
Felipe Amaral, Juninho, Moisés e Benítez (Felipe Azevedo); 
Fabinho (Gustavinho) e Renato (Brenner). 
Técnico: Cauan

Ponte Preta
Pedro Rocha;
Dudu Vieira (Igor Inocêncio), Joilson, Castro e Gabriel Risso;
Emerson (Dodô), Emerson Santos e Ramon (Élvis); 
Matheus Régis (Renato), Jeh e Gabriel Novaes (Guilherme Beléa). Técnico: Nelsinho Baptista.

Gols

quinta-feira, 6 de junho de 2024

Paysandu 2 x 0 América

Embora seja um campeonato de resistência, o América desperdiçou uma grande oportunidade de conquistar mais três pontos, de manter a invencibilidade na Série B, e assumir a liderança da competição, porque, principalmente no segundo tempo, sem a presença do Alê, somada ao desfalque do Mateus Henrique e Wallinson, o desempenho do Coelhão despencou. 

Ainda faltou Dalberson ser mais efetivo na saída de bola curta e nos lançamentos, Daniel Borges fazer mais ultrapassagens, para aumentar a força ofensiva com Adyson pelo lado direito, Felipe Amaral aparecer para o jogo, Fabinho e Jacaré buscarem vencer duelos individuais, Moisés jogar mais avançado, e Renato, preferencialmente dentro da área, receber mais assistências para serem finalizadas. 

Apesar da derrota, o América está a dois pontos do Goiás, o líder da Série B, manteve a padronização do modelo de jogo definido pelo Cauan e incorporado pelos jogadores, em seis dos oito jogos disputados, mais o primeiro tempo contra o Paysandu, com mais posse de bola e finalizações que os adversários.  

Mas Analistas de Desempenho, Comissão técnica e Cauan deveriam reavaliar a titularidade absoluta do Dalberson, ou redefinir as funções do goleiro, com menos participação na saída de bola curta, e na saída de bola longa todo lançamentos ser em profundidade no campo do adversário. 

Poderá ser interessante Rodriguinho, que precisa renovar contrato, ser deslocado para a lateral direita, a fim de aumentar a intensidade ofensiva com Adyson. 

Benítez poderia voltar a ser titular, para ser o meio-campista mais próximo do Brenner ou Renato. 

Talvez Felipe Azevedo recuperar a titularidade no lugar do Fabinho, que carece ser mais ofensivo e partir com a bola dominada para cima do marcador. 

Gustavinho também poderia ser aproveitado durante os jogos. 

Varanda, que tem mais qualidade que o Jacaré, deveria ser relacionado para aumentar as opções entre os substitutos, preferencialmente de meia-atacante centralizado, ou de lado. 

Aliás, 
Paysandu: 
Matheus Nogueira, Edílson, Wanderson, Lucas Maia e Kevyn;
João Vieira (Netinho), Wesley Fraga (Val Soares) e Juninho (Robinho); 
Edinho (Ruan Ribeiro), Esli García (Jean Dias) e Nicolas. 
Técnico: Hélio dos Anjos

América:
Dalberson, 
Daniel Borges, Éder, Ricardo Silva (Júlio) e Marlon; 
Alê (Felipe Amaral), Juninho e Moisés (Benítez);
Adyson (Felipe Azevedo), Renato (Brenner), Fabinho (Jacaré). 

segunda-feira, 27 de maio de 2024

América 2 x 1 Santos

No mundo real da arquibancada branca, verde e preta, e até torcedores de outros clubes, a grande maioria foi favorável ao Renato ter feito o gol. Quase totalidade da torcida americana também rejeitou a possibilidade, fora da realidade, de o América deixar o Santos empatar, para compensar o gol feito pelo Renato. 

Apesar de a origem da jogada do gol do Renato ter sido uma falha ocasional na tomada de decisão do João Paulo, antes da lesão sofrida na sequência do lance, a vitória americana foi convincente, porque, na maior parte do tempo, o padrão do modelo de jogo, definido pelo Cauan e incorporado pelos jogadores, foi repetido, o time americano foi bastante competitivo, eficiente, ofensivo, organizado, e enfrentou um adversário bastante qualificado. 

Mas o Coelhão, pelo diferencial competitivo dos comandados do Cauan na construção as jogadas por meio da troca de passes desde o início da transição ofensiva, poderia ter tido mais posse de bola, a fim de aumentar o poder criativo e ofensivo, e reduzir as possiblidades de ataque do Santos. 

Ainda assim, Dalberson precisa ser mais eficiente na saída de bola curta, aprimorar os lançamentos na bola longa, e melhorar o posicionamento nos cruzamentos pelo alto, Daniel Borges aparecer mais pro jogo na tarefa ofensiva, Fabinho e Jacaré vencerem mais duelos individuais, serem mais finalizadores e decisivo, e Renato, um dos principais finalizadores da Série B, finalizar mais dentro da área,  para aproveitar mais as assistências recebidas e aumentar o número de gols feitos. 

Se Mateus Henrique for vetado para enfrentar o Paysandu, talvez seja interessante deslocar Rodriguinho para a lateral direita.

Samuel poderia ser relacionado, mas está ausente dos jogos do Sub-20. 

Entre as possiblidades de mudanças, poderá ser mais interessante Benítez e/ou Brenner e/ou Vinícius serem aproveitados entre os titulares ou por mais tempo durante o jogo, porque Brenner carece ter mais ritmo de jogo, e Vinícius ainda não estreou entre os titulares

Varanda deveria retornar entre os relacionados para aumentar as opções, preferencialmente de meia-centralizado, e pelas beiradas.

Destaque para Mateus Henrique, Éder, Ricardo Silva e Marlon, pela consistência defensiva,  Benítez e Juninho no meio-campo, Adyson, partindo pra cima avacoelhando a defesa adversária, Renato, e especialmente Alê, a sustentação do time americano. 

América
Dalberson; 
Mateus Henrique (Daniel Borges), Éder, Ricardo Silva e Marlon; 
Alê, Juninho e Moisés (Benítez);
Adyson (Felipe Azevedo), Renato (Brenner), Fabinho (Jacaré)
Técnico: Cauan

Santos:
João Paulo; 
JP Chermont (Hayner), Gil, Joaquim e Gonzalo Escobar; 
Tomás Rincon (Nonato), Diego Pituca, Giuliano, Otero (Patrick); 
Willian e Weslley Patati (Serginho). 
Técnico: Fábio Carille.

Gols: Renato e Junimho

quarta-feira, 22 de maio de 2024

Guarani 1 x 2 América

O desempenho melhor que o resultado, no empate com o Mirassol, quando a produtividade superou a efetividade, e o resultado melhor que o desempenho, na vitória sobre o Guarani, quando a efetividade foi maior que a produtividade, evidenciaram que o Brasileirão é uma competição de resistência, em que o time poderá jogar melhor, e deixar de vencer, e produzir menos do que pode render, mas conquistar os três pontos.

Apesar da falha do Dalberson e Ricardo Silva no gol sofrido, os comandados do Cauan voltaram a demonstrar serem bastante competitivos, bem organizados, resilientes, e principalmente com o modelo de jogo definido pelo técnico e incorporado pelos jogadores. 

Embora na padronização do modelo jogo prevaleça a construção das jogadas por meio da troca de passes desde o início da transição ofensiva, ainda falta aprimorar a saída de bola longa, utilizar mais lançamentos, e os extremos, em vez de sempre priorizarem o passe, serem mais agudos, sem receio de buscarem o drible partirem pra cima dos adversários,  a fim de acelerar as jogadas ofensivas pelos lados, aumentar a profundidade, e as assistências pelo alto e pelo chão, para serem finalizadas dentro da área adversária. 

Brenner e Vinícius aumentaram as opções entre titulares e substitutos. 

Varanda, preferencialmente de meia centralizado, e Wallinsson também serão importantes durante a temporada. 

O trio ofensivo para enfrentar e vencer o Santos poderá ser formado pelo Adyson ou Jacaré, Brenner ou Renato, Fabinho ou Felipe Azevedo ou Vinícius.

Mas talvez por terem participado da vitória sobre o Atlético, por 2 a 1, no segundo jogo da semifinal do Mineiro, seja interessante optar pelo Jacaré, Brenner e Felipe Azevedo no time titular, porque estão mais acostumados a jogar grandes decisões. 

Guarani
Vladimir;
Diogo Mateus, Douglas, Lucas Adell (Léo Santos) e Jefferson; 
Matheus Bueno, Camacho e Chay (Gustavo França); 
Luccas Paraizo (Rafael Freitas), João Victor e Reinaldo (Marlon Douglas). 
Técnico: Júnior Rocha.

América:
Dalberson; 
Mateus Henrique, Éder, Ricardo Silva e Marlon; 
Alê (Felipe Amaral), Juninho (Benítez) e Moisés, 
Adyson (Vitor Jacaré), Renato (Brenner), Fabinho (Felipe Azevedo). 
Técnico: Cauan

Gols: Fabinho; Moisés

sexta-feira, 17 de maio de 2024

América 0 x 0 Mirassol

Apesar do empate, o desempenho do Coelhão foi superior ao resultado, porque os comandados do Cauan, bem organizados taticamente, bastante competitivos e super ofensivos, mantiveram a estratégia e modelo de jogo, definidos pelo técnico e incorporado pelos jogadores, dominaram o adversário, e criaram chances para conquistar a vitória, que poderia até ter sido convincente. 

Embora tenha faltado eficiência nas finalizações, o preocupante seria se o América tivesse sido pouco produtivo, sem poder de criação e finalização. 

Enquanto o adversário finalizou 4 vezes, uma no gol, o América finalizou 25 vezes, 5 no gol, mais duas na trave.

Fabinho conquistou a titularidade pelo gol marcado contra a Chapecoense e contra o Vila Nova, mas depois da finalização na trave, numa assistência perfeita do Jacaré, caiu de rendimento. 

Na transformação do DNA formador em aproveitador, Renato, sem a responsabilidade de ser a solução, mas fazer parte da resolução, poderá aumentar o poder de decisão se jogar mais dentro da área, porque tem imposição física e capacidade de finalizar de primeira ou no máximo dominar e finalizar. 

Benítez dificilmente aumentaria a produtividade americana, mas poderia ter aumentado a efetividade nas finalizações. 

Aliás, a escalação do Benítez para enfrentar o Guarani deverá depender de o jogador também ser utilizado contra o Santos.

Varanda deveria voltar a ser relacionado, a fim de ser opção para substituir Benítez ou Moisés ou um atacante de lado.

Sem o retorno do Brenner e sem a contração do centroavante, que deverá ser feita na segunda janela, Felipe Azevedo parece ter mais capacidade de executar a função de falso 9 do que Vinícius. 

A maior utilização do Adyson será progressiva, inclusive com a possibilidade de ser o responsável pelas cobranças de falta pelo corredor central ou direito ofensivo do Coelhão. 

Os cruzamentos rasteiros deveriam ser mais utilizados. 

América
Dalberson; 
Mateus Henrique, Éder, Ricardo Silva e Marlon (Nicolas);
Alê, Juninho e Moisés (Rodriguinho); 
Jacaré (Adyson) e Renato (Vinícius), Fabinho (Felipe Azevedo)
Técnico: Cauan

Mirassol:
Alex Muralha; 
Lucas Ramon (Alex Silva), João Victor, Luiz Otávio, Warley; 
Negueba, Danielzinho, Neto Moura, Gabriel (Chico);
Dellatorre (Diego Quirino) e Fernandinho (Diego Gonçalves). 

sexta-feira, 10 de maio de 2024

América 3 x 1 Vila Nova

Embora o gol sofrido possa ser considerado mais méritos do adversário, do que falha de posicionamento defensivo, porque se fosse favorável, os jogadores americanos, o que teria batido o escanteio e o que teria feito o gol, seriam destacados, ainda assim, os comandados do Cauan, bastante competitivos, organizados e resilientes, demonstraram poder de reação, venceram por 3 a 1, e criaram chances para a vitória ter sido por uma diferença maior de gols. 

A eficiente dupla arroz com feijão, formada pela completude entre Alê e Juninho. foi recompensada pelo golaço do Juninho, infiltrando na área adversária, numa assistência primorosa do Alê. 

Destaque para Éder, Ricardo Silva, Mateus Henrique, Marlon, Alê, Juninho, e Renato entre os titulares, Adyson, Fabinho, Moisés e Wallinson, entre os substitutos, e Cauan, pela consolidação da equipe durante a competição, pelas mudanças feitas, e padronização entre titulares e substitutos. 

Jacaré também foi bastante participativo. 

O aproveitamento do Adyson entre os titulares ou mais tempo de jogo será progressivo.

Fabinho parece mais confiante, participativo e decisivo. 

Wallinsson também está se tornando uma importante peça de reposição. 

Se Marlon não tivesse saído, Gustavinho ou Rodriguinho, que precisa renovar contrato, poderia ter entrado para preservar o Alê. 

O retorno do Varanda, preferencialmente centralizado, será um reforço para as próximas rodadas, até para fazer um revezamento com Benítez. 

Brenner e Vinícius também vão aumentar as opções. 

Devido a sequência de jogos contra Mirassol, Guarani e Santos, poderá ser mais interessante promover mais mudanças entre os titulares, a fim de minimizar o desgaste e dar ritmo de jogo a um maior número de jogadores. 

Benítez poderia ser utilizado em parte do jogo contra o Mirassol, preservado contra o Guarani, e jogar contra o Santos.  

Poderá ser mais funcional Mateus Henrique receber o terceiro amarelo contra o Mirassol, Daniel Borges jogar contra o Guarani, e Mateus voltar contra o Santos. 

América
Dalberson; 
Mateus Henrique, Éder, Ricardo Silva e Marlon (Nicolas);
Alê, Juninho (Wallisson) e Benítez 
Jacaré (Adyson)m Renato Marquesm Felipe Azevedo (Fabinho)
Técnico: Cauan de Almeida.

Vila Nova:
Dênis Júnior; 
Elias, Jemmes, Ruan Santos e Roberto (Rhuan); 
Cristiano, Geovane (Estevão), Igor Henrique e Juan Christian (Apodi);
Emerson Urso (Luciano Naninho) e Henrique Almeida (Igor Torres). 
Técnico: Márcio Fernandes.

Gols: Renato, Juninho e Fabinho