segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024

América 0 x 0 Villa Nova

Apesar das cinco mudanças por preservação e suspensão feitas entre os titulares, o Coelhão desperdiçou uma grande oportunidade de conquistar mais três pontos.

A ausência do Alê, Mateus Henrique, Moisés e Marlon prejudicou a transição e construção ofensiva, especialmente no primeiro tempo. 

Sem Renato, faltou poder de decisão. 

Num confronto em que os laterais deveriam ter jogado mais avançados, Daniel Borges e principalmente Nícolas foram mais defensivos do que ofensivos.

Ainda assim, Daniel Borges acertou mais cruzamentos, passes decisivos e finalizou mais que Fabinho e Jacaré. 

Faltou mais enfrentamento para disputar duelos individuais com os marcadores, mais poder de finalização e decisão do Fabinho e Jacaré.

Embora Fabinho seja habilidoso, parece mais um armador, com pouco poder de criação pelo lado, do que um atacante ofensivo, que parte pra cima, faz assistências e gols.

Jacaré, sem os espaços gerados pelas ultrapassagens do Marlon, caiu de rendimento em relação aos jogos anteriores. 

A opção de bola longa poderia ser utilizada para pelo menos um deles. 

Rodriguinho, que deveria antecipar a renovação do contrato para ser mais bem aproveitado no Brasileirão, foi pouco produtivo

Varanda, improvisado de centroavante, rendeu menos do que pode render, porque tem mais potencial de aproveitamento de meia-atacante centralizado ou pelos lados, partindo pra cima dos adversários com a bola dominada. 

Poderia ter sido mais efetiva a entrada do Adyson, pelo lado direito, e do Matheusinho, pelo esquerdo. 

Para vencer o Atlético, talvez seja interessante utilizar, entre os titulares ou durante o jogo, Felipe Amaral, para formar o meio-campo com Alê, Juninho e Moisés, com opção do Varanda reeditar a dupla de atacantes do Sub-20 com Renato. 

Benítez deverá ser relacionado e escalado de acordo com as circunstâncias do jogo. 

A bola alta ofensiva também poderá ser uma vantagem competitiva. 

América:
Dalberson; 
Daniel Borges (Mateus Henrique), Ricardo Silva, Éder (Júlio), Nicolas; 
Felipe Amaral, Rodriguinho (Moisés) e Juninho; 
Fabinho, Varanda (Brenner), Jacaré (Felipe Azevedo) 
Técnico: Cauan de Almeida

Villa Nova:
Glaycon; 
Antônio Cabral, Renan, Bocanegra (João Vitor) e Anthony (Charles);
Neto, Alex Paulino e Renatinho (Kauan Lindes); 
Wendson, Léo Reis (Gabriel Oliveira) e Amorim (Carlos Miguel). 
Técnico: Vinícius Munhoz

sábado, 17 de fevereiro de 2024

Cruzeiro 0 x 2 América

 Vitória da força do futebol coletivo, competitivo, eficiente e organizado.

Apesar de o Cruzeiro ter explorado jogadas pelos lados com cruzamentos para dentro da área americana, as defesas importantes do Dalberson, a construção efetiva do Mateus Henrique pela lateral direita, a consistência do Ricardo Silva e Éder, nos duelos disputados pelo alto e pelo chão, a superioridade do Alê, Juninho e Moisés, em relação ao Romero, Lucas Silva e Matheus Pereira, o oportunismo do Renato e do Varanda, a estratégia e mudanças feitas pelo Cauan, e até o acaso favorável no gol do Renato prevaleceram sobre o adversário. 

Ainda assim, na engenharia de obra pronta do pós-jogo, talvez fosse mais interessante Marlon ter sido mais agudo, com mais ultrapassagens pelo lado esquerdo,  para fazer triangulações com Jacaré e aumentar o poder ofensivo.

Embora sejam bastante participativos coletivamente, a produtividade do Fabinho e Jacaré ainda carece ser transformada em efetividade individual, com ambos jogadores partindo para cima e passando pelos defensores, ou recebendo lançamentos em profundidade, entrando na área para finalizar e fazer mais gols decisivos. 

Aliás, a saída longa com lançamentos em profundidade para o trio ofensivo deveria ser mais utilizada. 

Para vencer o Villa Nova, existem muitas opções para serem utilizadas entre os titulares e substitutos. 

Varanda, que tem mais potencial de meia-atacante centralizado,  poderá ser o substituto do Renato, na posição de centroavante.

Felipe Azevedo, que quando jogou de segundo atacante pelo centro com Bustos, foi bastante produtivo, sem precisar se desgastar tanto com a recomposição defensiva pelo lado, também poderá ser opção de centroavante.

Ainda Brenner que não estreou no Coelhão, e Igão, prata da casa promovido do Sub-20. 

Grande oportunidade para Benítez entrar no segundo tempo para começar a recuperar o ritmo de jogo. 

Júlio ou Pedro Barcelos poderia ser opção para jogar com Ricardo Silva ou Éder.

Paulinho ou Yago Santos, opção para a lateral esquerda.

Adyson, Flávio, Felipe Amaral, Gustavinho, Matheusinho e Rodriguinho para o meio-campo e ataque. 

Cruzeiro: 
Rafael Cabral; 
William (Wesley Gasolina), João Marcelo, Neris (Ian Luccas) e Marlon;
Lucas Romero, Lucas Silva e Matheus Pereira; 
Robert (João Pedro (Rafael Elias)), Arthur Gomes (Fernando) e Juan Dinenno.
Técnico: Nicolás Larcamón

América: 
Dalberson; 
Mateus Henrique, Ricardo Silva, Éder e Marlon (Nicolas); 
Alê, Juninho e Moisés (Rodriguinho); 
Fabinho (Felipe Amaral), Renato Marques (Varanda), Jacaré (Felipe Azevedo) 
Técnico: Cauan de Almeida

Gols: Renato e Varanda. 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

América 2 x 0 Uberlândia

Coelhão, avacoelhando no Campeonato Mineiro, venceu sem ser incomodado na defesa, dominou o adversário, marcou dois gols e criou chances para ampliar o placar. 

Alê, Juninho, Moisés e Renato foram os principais destaques da vitória americana.

Apesar do pênalti perdido, Moisés se destacou pela movimentação, pelos passes verticais entre as linhas defensivas do Uberlândia, e pelos lançamentos precisos, entre eles, o feito para Renato marcar um golaço. 

Aliás, o gol do Juninho também pode ser considerado um golaço, pela infiltração em cima da defesa adversária através da tabela feita com Renato. 

Alê novamente foi o meio-campista mais participativo nas quatro fases do jogo, na bola alta defensiva e ofensiva. 

Mas faltou mais efetividade ofensiva do Fabinho e Jacaré, a fim de aumentar o número de assistências, finalizações e gols.

A produtividade do Daniel Borges foi bastante discreta.

Aliás, enquanto Júlio demonstrou potencial de aproveitamento entre os titulares, Daniel Borges, contra o Uberlândia, e Nícolas, contra o Itabirito, foram pouco produtivos até na condição de substitutos, eventualmente utilizados.  

Embora a marcação do Uberlândia fosse mais no próprio campo de defesa, ainda faltou o time americano utilizar a saída longa, a fim de variar com a saída curta, constantemente utilizada. 

Felipe Amaral no lugar do Fabinho, ou Benítez, no lugar do Fabinho,  poderão ser opções para vencer o Cruzeiro. 

Em ambos os casos, possivelmente numa distribuição próxima do 4-4-2 ou 4-2-3-1. 

América:
Dalberson; 
Mateus Henrique (Daniel Borges), Ricardo Silva, Júlio, e Marlon;
Alê (Felipe Amaral), Juninho (Rodriguinho), Moisés;
Fabinho (Varanda), Renato (Benítez), Jacaré.
Técnico: Cauan de Almeida.

Uberlândia:
Rafael Pin; 
Tiago Baiano (Davisson), Adryan, Mendonça e Gabriel Carioca; 
João Victor, Sabino e Léo Martins (Vinicius Balotelli); 
Geovane (Flávio Macarrão), Jefferson (Elzo) e Rafinha (David Lucas).
Técnico: Felipe Conceição.

Gols
Juninho, Renato

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

Itabirito 0 x 0 América

Apesar de o América ter produzido menos do que pode produzir, ainda assim, o Coelhão teve mais posse de bola, criou mais situações de gol, e o goleiro adversário foi o destaque do jogo, com pelo menos seis importantes defesas. 

Enquanto Dalberson fez uma grande defesa, Elias defendeu uma cabeçada do Éder, uma finalização de primeira do Renato, uma do Juninho, de pé esquerdo, evitou um golaço de letra do Renato e outro do Marlon, e possivelmente um cruzamento do Mateus Henrique direto para o gol.

Mas faltou utilizar a saída longa para neutralizar a marcação alta do Itabirito no início da transição americana, e sem Fabinho, faltou mais poder de assistência, decisão e finalização para Felipe Azevedo e Jacaré. 

Talvez, Jacaré seja mais produtivo no ataque americano com a participação do Marlon, lateral de profundidade. 

Mateus Henrique, que mesmo improvisado tomou conta da posição de lateral direito, está muito produtivo, mas na função de lateral construtor.

Na engenharia da obra pronta do pós-jogo, talvez tivesse sido mais interessante Adyson ter iniciado entre os titulares,  principalmente para jogar em cima do Bryan, com a colaboração do Mateus Henrique e Juninho. 

Desse modo, evitaria a troca improdutiva de lados entre Felipe Azevedo e Jacaré, aumentaria a intensidade ofensiva e opção de bola longa pelos lados. 

Felipe Azevedo, Gustavinho e Matheusinho seriam opções para o segundo tempo. 

Varanda entraria no lugar do Moisés, e Rodriguinho no lugar do Juninho para revigorar o meio-campo. 

Paulinho deveria ser opção no lugar do Marlon ou testar a improvisação do Yago Santos.

Para vencer o Uberlândia, uma mudança deverá ser o retorno do Fabinho, para formar o trio ofensivo com Renato e Jacaré. 

Uma possível modificação posicional no meio-campo durante o jogo poderia ser Moisés, em processo de readaptação ao futebol brasileiro, jogar pelo corredor central, mais recuado que Alê, avançado pela esquerda, e Juninho, pela direita. 

Benítez e Brenner poderão ser as novidades durante o jogo. 

Itabirito
Elias; 
Lucas Mota, Rayan, Lucas Costa e Bryan (Mateus); 
Gustavo (Menezes), Fabrício Bigode, Rondinelly (Germano), Branquinho (Dudu); 
Johnatan e Da Silva (Pavani). 
Técnico: Marcelo Caranhato.

América:
Dalberson; 
Mateus Henrique, Ricardo Silva, Éder, Marlon (Nícolas); 
Alê, Juninho, Moisés (Rodriguinho);
Felipe Azevedo (Varanda), Renato (Adyson), Jacaré (Matheusinho)) 

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2024

Ipatinga 1 x 6 América

O imprevisto, preferencialmente favorável, faz parte do desempenho e do resultado no futebol.
Ivan, se tivesse sido contratado, Daniel Borges, Martínez e Benítez, possivelmente seriam escalados entre os titulares nos primeiros jogos do Mineiro.

Ainda assim,  seria preciso criar um esquema especial para Benítez para o potencial ofensivo ser mais bem aproveitado nos principais jogos, especialmente nos clássicos, sem o time americano perder a força de marcação. 

Mas as mudanças necessárias feitas pelo Cauan aumentaram a produtividade e efetividade do time americano. 
Coelhão avacoelhando no Campeonato Mineiro, +3 pontos, + 6 gols. 

Dalberson fez importantes defesas durante o segundo e terceiro gol do Coelhão. 

Mateus Henrique, mais uma vez, demonstrou condições de ser o titular da lateral direita e com potencial para jogar no meio-campo.

Alê, Juninho e Moisés, novamente, formaram um meio-campo bastante competitivo, dinâmico e eficiente.

Fabinho criou situações de perigo de gol. 

Embora Ricardo Silva e Éder, em processo de recuperação do futebol jogado em 2022, formem uma dupla consistente, Júlio é merecedor de mais chances. 

Vale destacar a produtividade ofensiva do Marlon, praticamente um atacante avançado pelo lado esquerdo.

Jacaré, quando foi substituído estava mais produtivo que Fabinho.

Porém Fabinho permaneceu no jogo e marcou o terceiro gol.

Felipe Azevedo, mais inteiro fisicamente entrando no segundo tempo, aproveitou o lançamento do Dalberson, ganhou na corrida do adversário e fez assistência pro Fabinho. 

Na transformação do DNA formador em aproveitador, a entrada do Adyson, Renato e Rodriguinho, que precisa renovar o contrato para ser mais bem aproveitado, revigorou o dinamismo, a intensidade e força ofensiva. 

Mais uma vitória da força do futebol coletivo, competitivo e eficiente. 

Renato deverá ser o substituto do Mastriani contra o Itabirito. 

Durante o jogo, Felipe Amaral, Rodriguinho e Varanda no meio-campo, Adyson, Renato e Gustavinho no ataque, poderão ser utilizados. 

Ainda Flávio, Matheusinho e Martínez, que deverão esperar mais um pouco, porque estavam sem jogar. 

Ipatinga: 
William Menezes; 
Ézio, Cleyton, Renan Diniz e Lucas Luan (Pedrinho);
Davi Lopes, Fornaizer (Cesinha) e Vico; Raynan (Luiz Henrique), Raphael Lopes (Luis Felipe, Ykaro) e Vinícius Jaú. 
Técnico: Carlos Pimentel. 

América: 
Dalberson; 
Mateus Henrique, Ricardo Silva, Éder, Marlon; 
Alê, Juninho (Adyson) e Moisés (Felipe Amaral); 
Fabinho (Rodriguinho), Mastriani (Renato), Vitor Jacaré (Felipe Azevedo
Técnico: Cauan

Gols: Mastriani, contra, Fabinho, Marlon, Alê e Renato

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2024

América 6 x 0 Pouso Alegre

A goleada de 6 a 0 superou a expectativa até do americano mais otimista presente no Independência.

Além dos 5 gols marcados pelo Mastriani, vale a pena destacar a eficiência ofensiva do Mateus Henrique e principalmente do Marlon, o trio do meio-de-campo formado pelo Alê, Juninho e Moisés, a força de ataque do Fabinho e Jacaré, o potencial do Gustavinho, Renato e Rodriguinho e a estreia do Cauan, no comando técnico do time americano. 

Embora tenha potencial para jogar no meio-campo, Mateus Henrique, improvisado na lateral-direita, comprovou ser a melhor opção para a posição.

A grande surpresa positiva foi a entrada do Gustavinho.

Se Gustavinho conseguir estender a produtividade e eficiência para pelo menos jogar 45 minutos com alto rendimento, poderá ser mais aproveitado durante a temporada. 

Felipe Azevedo também deverá ser mais produtivo, quanto entrar durante o segundo tempo. 

Éder e Ricardo Silva foram mais participativos no início da transição.

Talvez seja uma grande oportunidade de recuperar o futebol do Éder. 

Ainda assim, Júlio também merece ter chances no time, porque foi um dos poucos destaques defensivos em 2023. 

Dalberson foi pouco exigido.

América:
Dalberson;
Mateus Henrique, Eder, Ricardo Silva e Marlon; 
Alê (Lucas Kal), Juninho (Gustavinho) e Moisés (Rodriguinho);
Fabinho, Mastriani (Renato Marques) e Vitor Jacaré (Felipe Azevedo).
Técnico: Cauan de Almeida

Pouso Alegre: 
Thiago Braga; 
Jefferson Feijão, Luís Gustavo, Alex Alves e Samuel Balbino; 
Léo Príncipe (Kauê), Henrique Rocha (Magno) e Lucas Nathan (Henrique);
Gabriel Neto (Bustamante), David e Nestor (Thiaguinho). 
Técnico: Gustavo Brancão